Entre em contato

NATO

Ucrânia se junta à OTAN em meio à guerra 'não está na agenda' - Stoltenberg

Compartilhar:

Publicado

on

A Ucrânia não poderá ingressar na OTAN enquanto o conflito com a Rússia continuar, disse o chefe da aliança, Jens Stoltenberg (foto), na quarta-feira (24 de maio).

Ele disse que entrar em uma guerra não era uma opção. A questão é "o que acontece depois que a guerra acabar".

Em setembro, Volodymyr Zelenskiy fez um pedido de adesão acelerada à OTAN depois que o presidente russo, Vladimir Putin, declarou quatro regiões da Ucrânia parcialmente ocupadas como território russo.

Os aliados da OTAN não atenderam ao pedido de Zelenskiy. Os governos ocidentais desconfiam de qualquer movimento que possa aproximar a OTAN de um conflito ativo com a Rússia.

Na cúpula de Vilnius, em julho, Kiev, juntamente com alguns de seus aliados mais próximos do leste europeu, instou a OTAN a tomar pelo menos medidas concretas para aproximar a Ucrânia da adesão.

Em abril, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kulleba, disse: "É hora de a Aliança parar de dar desculpas. à adesão".

O primeiro-ministro letão, Krisjanis Karins, alertou que a Rússia reiniciaria uma guerra se a Ucrânia não tivesse permissão para ingressar na OTAN após o fim do conflito.

Anúncios

Depois de se encontrar com Stoltenberg, ele disse: "Para ter ... paz duradoura, é essencial que a Ucrânia seja independente, livre e liberada e membro da OTAN."

Stoltenberg, em uma rara visita a Kiev em abril, reiterou a decisão de 15 anos de que o destino da Ucrânia está dentro da OTAN. Ele não forneceu um cronograma.

A cúpula da OTAN em 2008 em Bucareste concordou que a Ucrânia acabaria se juntando à aliança.

Os líderes não tomaram nenhuma atitude desde então, como apresentar a Kiev um plano de adesão que estabeleceria um cronograma para aproximar a Ucrânia da OTAN.

Stoltenberg admitiu que existem diferenças entre os membros da OTAN sobre como lidar com as ambições de adesão de Kiev.

"Existem muitas opiniões diferentes na aliança da OTAN, e a única maneira de tomar decisões na OTAN é por consenso." Ele disse que atualmente há consultas em andamento.

"Ninguém pode dizer qual será a decisão final da Cimeira de Vilnius sobre esta questão."

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA