Entre em contato

Agricultura

Comissão atribui 77 milhões de euros em apoio de emergência aos agricultores

Compartilhar:

Publicado

on


A Comissão Europeia propôs a mobilização de 77 milhões de euros da reserva agrícola para apoiar os agricultores dos sectores das frutas, produtos hortícolas e vitivinícolas da Áustria, Chéquia e Polónia, que sofreram recentemente com acontecimentos climáticos adversos de magnitude sem precedentes, bem como os produtores de vinho portugueses que enfrentam graves perturbações do mercado.

As propostas da Comissão, aceites pelos Estados-Membros, atribuem 10 milhões de euros à Áustria, 15 milhões de euros à Chéquia, 37 milhões de euros à Polónia e 15 milhões de euros a Portugal. Estes países podem complementar este apoio da UE até 200% com fundos nacionais.

Na primavera deste ano, a Chéquia, partes da Áustria e partes da Polónia foram afetadas por geadas sem precedentes que, após temperaturas invulgarmente amenas em março, afetaram fortemente os pomares e as vinhas. Danos adicionais foram causados ​​na Polónia pelo granizo. As superfícies e a percentagem de produção em causa são significativas e põem em perigo a viabilidade económica das explorações agrícolas afetadas. 

As autoridades nacionais distribuirão a ajuda directamente aos agricultores para compensá-los pelas suas perdas económicas. A Áustria, a Chéquia e a Polónia terão de notificar a Comissão sobre os detalhes da implementação das medidas, nomeadamente os critérios utilizados para calcular o auxílio individual, o impacto pretendido da medida, a sua avaliação e as medidas tomadas para evitar distorções da concorrência e sobrecompensação.

Entretanto, os produtores de vinho em Portugal sofrem de desequilíbrios de mercado que podem transformar-se numa crise prolongada e mais ampla. A atual acumulação de stocks sem precedentes em Portugal é causada por uma diminuição das vendas de vinho tinto combinada com um aumento da produção no ano passado. Portugal foi em 2023 o Estado-membro com maior aumento de produção face ao ano anterior. O pacote de apoio hoje apresentado pela Comissão financiará a destilação temporária de crise neste país para remover alguns dos volumes atualmente excedentários e reequilibrar o mercado.

Para evitar distorções de concorrência, o álcool obtido por destilação só pode ser utilizado para fins industriais, como desinfecção, farmacêuticos e energéticos. As autoridades nacionais podem distribuir a ajuda aos produtores de vinho, cooperativas vitivinícolas, destiladores e empresas vitivinícolas e estabelecerão as regras para a candidatura ao apoio. Espera-se que Portugal notifique a Comissão sobre a implementação da medida, nomeadamente sobre as quantidades de vinho retiradas do mercado para cada região.

Janusz Wojciechowski, Comissário da Agricultura, afirmou que, com este apoio de emergência, “a Comissão Europeia fornecerá a ajuda tão necessária aos nossos agricultores na Áustria, Chéquia, Polónia e Portugal. As grandes perturbações climáticas e de mercado sofridas por estes agricultores ilustram mais uma vez a importância de uma forte reserva agrícola no orçamento da PAC, para reforçar a estabilidade face a crises cada vez mais graves e imprevisíveis. A estabilidade dos nossos agricultores é fundamental para a estabilidade da nossa sociedade. Por conseguinte, agora e no futuro, a Comissão estará ao seu lado nos momentos de necessidade”.

Anúncios

Para enfrentar os maiores desafios que o sector vitivinícola da UE enfrenta, a Comissão também lançou recentemente um Grupo de Alto Nível sobre Política do Vinho que deverá fornecer recomendações para futuros desenvolvimentos políticos até o início de 2025.

Os pagamentos aos agricultores para o apoio financeiro de emergência à Chéquia, à Áustria e à Polónia devem ser efetuados até 31 de janeiro de 2025, enquanto o apoio aos beneficiários da destilação temporária e excecional de crise para Portugal deve ser pago até 30 de abril de 2025. Os dois atos que estabelecem o as disposições do apoio serão adotadas nos próximos dias e serão diretamente aplicáveis ​​após a sua entrada em vigor em julho de 2024.

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA