Entre em contato

Bancário

Inflação alta significa situação para os principais bancos centrais

Compartilhar:

Publicado

on

À medida que o mercado de títulos europeu cai, a presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde (foto), disse em 28 de junho que o banco central iniciará um programa de compra de títulos na sexta-feira para conter possíveis crises de dívida. O BCE está considerando manter a "flexibilidade" em sua alocação de reinvestimento para sua enorme carteira de compra de títulos de 1.7 trilhão de euros, ao mesmo tempo em que lança um novo programa para estabilizar os mercados. Também está trabalhando em uma nova ferramenta de compra de títulos para lidar com a chamada "fragmentação". Lagarde disse que a ferramenta permitirá que as taxas subam "na medida do necessário" para complementar a estabilização da inflação na meta de 2%. A posição do BCE como "comprador de último recurso" facilitou até certo ponto a venda de títulos europeus, e os rendimentos dos títulos soberanos de alguns países altamente alavancados caíram, escreve Wei Hongxu.

Sob a decisão do BCE de aumentar as taxas de juros em julho para combater a inflação, seu programa de compra de títulos proposto, embora amenize uma possível crise no mercado de títulos, está efetivamente contrariando seu iminente aperto monetário. Pesquisadores da ANBOUND destacaram que semelhantes às implementadas pelo Federal Reserve e pelo Banco do Japão (BOJ), a política monetária do BCE também enfrenta desafios pela frente. Com a alta inflação global reduzindo o espaço da política monetária, o dilema entre inflação e emprego está se tornando cada vez mais comum. Esta não é uma boa notícia para a economia global e os mercados de capitais, pois a contradição entre crescimento econômico e inflação atormentará os principais bancos centrais por muito tempo.

Lagarde disse que o BCE permanecerá "flexível" no reinvestimento da carteira do PEPP com vencimento em 1º de julho. "Garantiremos que a transmissão ordenada de nossa orientação política em toda a área do euro seja preservada", disse ela. "Vamos abordar todos os obstáculos que possam representar uma ameaça ao nosso mandato de estabilidade de preços".

A insistência do BCE em desempenhar o papel de "comprador de último recurso" na verdade tirou lições da crise da dívida soberana europeia desencadeada pela crise financeira de 2008. Devido à lenta tomada de decisão do BCE na época e sua relutância em promover flexibilização, as economias e os sistemas financeiros de países altamente alavancados como Grécia, Itália e Espanha sofreram enormes perdas com a crise da dívida. O BCE lançou finalmente a flexibilização quantitativa em 2014 para lidar com as ameaças duplas de deflação e a crise da dívida soberana da época, que estabilizou os sistemas económicos e financeiros dos países relevantes. No total, o BCE compra atualmente mais de 49 trilhões de euros em títulos, o equivalente a mais de um terço do PIB da zona do euro. Nos últimos dois anos, o BCE comprou mais títulos do que todos os títulos adicionais emitidos pelos 19 governos nacionais da zona do euro, dando-lhe uma enorme alavancagem sobre os custos de empréstimos da região.

Como o mercado europeu está prestes a se despedir das taxas de juros negativas, após o BCE começar a subir as taxas de juros, o aumento dos custos de empréstimos inevitavelmente trará novos fatores de risco ao seu mercado de títulos. As consequências do aumento das taxas de juros não apenas causarão o declínio do crescimento econômico de vários países, mas também provavelmente levarão a uma nova rodada de inadimplência da dívida. Esse é o preço que o banco central tem que pagar por suas medidas contra a inflação. No entanto, como com o Fed, os investidores do mercado estão igualmente céticos de que a política de aperto do BCE será eficaz no combate à inflação. Atualmente, o nível de inflação na zona do euro atingiu mais de 8%, o que é mais de quatro vezes a meta de 2% do BCE. Espera-se que os últimos dados do IPC na zona do euro em junho atinjam um recorde de 8.5%. A alta inflação não é apenas a distorção energética provocada pelo conflito entre a Rússia e a Ucrânia, mas também as restrições do ajuste da cadeia de suprimentos.

Esses fatores significam que o nível de inflação será difícil de conter no curto prazo e cairá rapidamente. O economista-chefe do BCE, Philip Lane, disse que o banco central deve permanecer vigilante nos próximos meses, pois a inflação pode continuar subindo e a economia da região pode desacelerar devido ao consumo. Enquanto isso, o Morgan Stanley afirmou que a economia da zona do euro deverá entrar em uma leve recessão no quarto trimestre deste ano, com a queda da confiança dos consumidores e das empresas devido à redução do fornecimento de energia na Rússia, enquanto a inflação permanece alta. A economia da zona do euro deverá se contrair por dois trimestres antes de retornar ao crescimento no segundo trimestre do próximo ano, impulsionada pelo aumento do investimento. Apesar dos riscos de uma desaceleração econômica, o BCE ainda deve aumentar as taxas em todas as reuniões do restante do ano, culminando em uma alta para 0.75% em dezembro, dada a inflação persistentemente alta. No entanto, se as perspectivas econômicas se deteriorarem significativamente, o BCE pode parar de aumentar as taxas de juros após setembro. Isso, na verdade, mostra que o banco central não tem muitos meios eficazes diante da alta inflação. Ele só pode adotar a abordagem de um passo de cada vez e ajustar entre inflação e recessão.

Tal situação está acontecendo nos Estados Unidos e no Japão também. O Fed também se depara com a escolha conflitante de inflação e recessão, enquanto o BOJ precisa considerar uma série de efeitos da mudança de sua política de flexibilização. A situação no Japão é um pouco semelhante à do BCE, na medida em que é difícil para o banco central apertar sua moeda encolhendo seu balanço. Depois que o iene japonês continuou a se depreciar, o nível de inflação ultrapassou a meta de 2% por uma linha, colocando o BOJ em uma posição difícil. Se a política de flexibilização defendida pela Abenomics for encerrada para lidar com a inflação, isso trará um aumento no rendimento dos títulos do governo japonês, além do colapso da bolha do mercado de ações japonês. Com o Japão como um todo enfrentando um nível de alavancagem sem precedentes, não é otimista que as empresas japonesas possam arcar com o aumento das taxas de juros. Ao mesmo tempo, o BOJ acumulou um grande número de títulos soberanos e ativos de risco. Uma vez que o balanço seja reduzido e vendido, intensificará a liquidação no mercado de capitais, causando uma crise no mercado de capitais afetando tanto as ações quanto as dívidas. Esta crise, especialmente a crise da dívida, causará choque fatal e impacto na economia.

Anúncios

Essa perspectiva também é a razão pela qual o BCE ainda está lutando para interromper a compra de títulos, mesmo que esteja determinado a aumentar as taxas de juros. Relativamente, devido ao papel especial do dólar norte-americano na moeda internacional, o Fed não encontra maiores riscos quando aumenta as taxas de juros enquanto encolhe seu balanço, e sim está em uma posição relativamente ativa. No entanto, o Fed também enfrenta o risco de uma recessão causada pelo aperto acelerado das políticas. Isso é semelhante à situação do BCE e do BOJ. Equilibrar inflação e estagnação econômica seria o principal desafio enfrentado pelas grandes economias, e é também um dilema que os principais bancos centrais do mundo têm que enfrentar.

Conclusão final da análise

Dado o alto nível de inflação global, os principais bancos centrais do mundo tendem a adotar políticas restritivas. No entanto, a contradição entre inflação e crescimento econômico, bem como o problema da dívida resultante, está se tornando cada vez mais proeminente. Sob essas contradições, os bancos centrais geralmente enfrentam o dilema de que, embora o espaço para a política monetária seja reduzido, a dificuldade política aumentou. Isso também significa que esses bancos centrais estão na situação embaraçosa de fracasso da política monetária e que a economia global precisa lidar com a ameaça de estagflação por um longo tempo.

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA