Entre em contato

Financeira

Bancos em crise não são a causa dos problemas do mundo, mas são um sintoma

Compartilhar:

Publicado

on

Mais um mês, outro banco em crise, escreve Ilgar Nagiyev.

O setor bancário prospera - até sobrevive - graças à confiabilidade; o sentimento de confiança que eles projetam tão bem. Os bancos suíços, em particular, há muito dominam isso; estabelecendo-se como instituições testadas pelo tempo. Essa armadura de confiança, no entanto, começa a parecer um pouco enferrujada quando um banco suíço quebra.

O Credit Suisse era o segundo maior banco da Suíça, com mais de quinhentos e setenta bilhões de dólares em ativos e três vezes mais sob administração. Era visto como muito grande, muito velho, muito estabelecido para falir, mas entrou em colapso na mesma semana que o Banco do Vale do Silício, classificado como Tier One. Colapsos como este são um problema, mas não são que o problema. A problema decorre do crescimento, ou melhor, da falta dele. Somos vorazmente viciados em crescimento e quando não conseguimos, experimentamos efeitos colaterais negativos.

E o crescimento está se mostrando mais difícil de encontrar.

Após a queda do muro de Berlim, a economia de livre mercado rapidamente se tornou a norma, no que alguns chamaram de A grande duplicação. De repente, havia mais mercados globais e mais riqueza para todos. Infelizmente, não há mais países extras para encontrar e poucos mercados inexplorados para impulsionar o PIB global. Além disso, tudo está profundamente interconectado, o que se torna muito aparente quando as coisas dão errado.

Veja a China, o principal impulsionador dessa economia global nos últimos vinte anos. De acordo com o Wall Street Journal, a China já gastou um trilhão de dólares americanos em sua ambiciosa iniciativa Belt and Road, que os ajudou a criar um nicho de benfeitor que se estende da Ásia Central à América Latina. No entanto, a inflação, as taxas de juros mais altas e a escassez de oferta impactaram muitas das economias com as quais eles fazem negócios, levando a China a restringir o fluxo de dinheiro que vem fornecendo. Embora todo mundo ame aquele que paga o jantar, seus sentimentos se tornam mais complexos quando essa pessoa pede que eles devolvam sua parte no PayPal. O resultado é o que alguns economistas ocidentais estão chamando diplomacia da armadilha da dívida.

Muitos desses mesmos economistas já previam isso há algum tempo, mas há coisas que não podemos prever e para as quais nos encontramos lamentavelmente despreparados.

Anúncios

Logo após uma pandemia que, de acordo com uma previsão do FMI, cortou 12.5 trilhões da economia mundial, vem a primeira crise energética verdadeiramente global. Isso inverteu a ideia de que voltaríamos a alguma forma de estabilidade pós-pandemia e voltaríamos ao negócio de ganhar dinheiro. Ele alimentou a inflação, desafiou os compromissos climáticos e levou os governos a gastar bilhões tentando amenizar o impacto do aumento dos custos de energia. É um fardo que afeta desproporcionalmente as populações mais pobres, com cinquenta e quatro países já tendo um aumento acentuado no tamanho de sua dívida e em risco de inadimplência - um quarto das nações do mundo.

Então, se não conseguirmos nos livrar dos problemas, o que vem a seguir?

O Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas sugeriu quatro maneiras de fazer isso; Diversificar as economias, conter as desigualdades, melhorar as instituições e tornar as finanças sustentáveis. Poucos podem argumentar que as instituições bancárias precisam melhorar e que o financiamento deve ser sustentável. Menos ainda podem contestar que existem desigualdades que precisam ser resolvidas com urgência - se não por gentileza, pelo bem de seu saldo bancário. A diversificação, no entanto, pode ser particularmente promissora. O Conselho de Cooperação do Golfo, por exemplo, está tentando quebrar sua dependência mútua do petróleo introduzindo o Imposto sobre Valor Agregado pela primeira vez. Indiscutivelmente, a própria crise energética acelerará o investimento e impulsionará a pesquisa de fontes renováveis, todas as quais terão a oportunidade de serem vendidas em todo o mundo, potencialmente iniciando uma nova onda de crescimento.                                                                                                                        

Fazer isso exigirá uma resposta global significativa, mas agora estamos calculando a média de uma crise financeira a cada década e, inevitavelmente, mais bancos irão à falência. Um band-aid não vai parar o sangramento, mesmo um band-aid de dois bilhões de dólares como a compra do Credit Suisse pelo UBS. Mas tentar algo novo pode.

Ilgar Nagiyev é um empresário do Azerbaijão, presidente do conselho da Azer Maya, um dos principais produtores de levedura nutricional no Azerbaijão, e presidente do conselho da Baku City Residence, uma empresa imobiliária. Ele é ex-aluno da London School of Economics and Political Sciences e do TRIUM Global Executive MBA.

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA