Entre em contato

Transporte de animais

Transporte de animais: falhas sistemáticas reveladas (entrevista)

Compartilhar:

Publicado

on

Deixar de aplicar as regras de transporte de animais representa um risco para o bem-estar animal e é injusto com os agricultores, diz Tilly Metz (foto), a presidente da comissão de inquérito do Parlamento a este respeito, Sociedade.

O Parlamento estabeleceu um comissão de inquérito sobre a protecção dos animais durante o transporte avaliar a situação actual em toda a Europa na sequência de uma resolução que apela à regras mais rigorosas. O comitê adotado Está relatório de encerramento em dezembro de 2021, que todos os eurodeputados votarão durante a sessão plenária de janeiro de 2022.

A presidente da comissão, Tilly Metz, membro dos Verdes/ALE do Luxemburgo, disse: “É importante garantir o mesmo nível de proteção dos animais durante toda a viagem, assim como é essencial que os transportadores e motoristas tenham um único conjunto de regras para cumprir no transporte transfronteiriço”.

Como pretende o Parlamento melhorar as condições de transporte de animais?

O comitê encontrou falhas sistemáticas na aplicação das regras existentes sobre a proteção de animais durante o transporte e fez recomendações para a revisão das regras, prevista para 2023.

A comissão apelou a uma redução da duração das viagens, nomeadamente oito horas para o abate e quatro horas para os animais em fim de carreira, que são animais mantidos para a produção de leite ou ovos ou reprodução, bem como uma melhor protecção dos jovens e animais grávidos. Em vez de um limite de 10 dias, os animais não desmamados não devem ser transportados antes das cinco semanas de idade e o limite para animais prenhes deve ser de dois terços da gestação (atualmente 90%).

Quando se trata de transporte para fora da UE, a comissão pede que as exportações de animais vivos sejam limitadas a países que garantam e respeitem padrões equivalentes de bem-estar animal.

Anúncios

“Garantir que os consumidores da UE tenham informações precisas sobre os produtos de origem animal que compram é outra tarefa importante, pois permite que os consumidores optem pelos mais altos padrões de bem-estar animal”, disse Metz.

Porcos em um caminhão para serem transportados para uma fábrica
©AdobeStock/Pomphoto  

Que políticas de transporte de animais da UE precisam de ser alteradas?

“A UE precisa de melhorar e completar a sua legislação de bem-estar animal para garantir que todos os animais tenham o mesmo nível de proteção, não importa onde nasçam, sejam criados ou abatidos”, disse Metz.

“Precisamos de regras, controles e sistemas de sanções mais harmonizados”, acrescentou Metz, destacando que é papel da UE “garantir condições equitativas para agricultores e transportadores”. O relatório recomenda a centralização a nível da UE de alguns aspetos cruciais, como o estabelecimento de critérios para a homologação de veículos e embarcações. Os agricultores recebem apoio através do Política Agrícola Comum mas precisa de “soluções concretas” para melhorar o bem-estar animal, segundo Metz.

Ela sugere que novas ferramentas políticas são necessárias para apoiar “pequenas estruturas locais, bem como soluções móveis e de abate na fazenda”, o que poderia ajudar a reduzir o número de jornadas estressantes para o abate.

As exportações de animais vivos para países não pertencentes à UE também exigem regras harmonizadas, pois os animais de alguns estados membros são transportados para fora das fronteiras da UE e “no sistema atual é muito difícil fazer cumprir” os padrões de bem-estar.

Como isso beneficiaria as pessoas e os agricultores?

Segundo Metz, o comitê “nunca teria visto a luz do dia se não fosse pela pressão implacável da sociedade civil, de cidadãos preocupados que estão fartos de ler sobre transporte de animais nos noticiários”. Para Metz, “ficou muito claro que a grande maioria dos cidadãos deseja uma rápida melhoria da situação”.

As iniciativas dos cidadãos, como Termine a idade da gaiola teve impacto no trabalho da comissão e “essas demandas dos cidadãos foram consideradas da melhor forma possível”, embora Metz reconheça que “ainda há espaço para melhorias em relação às recomendações”.

Metz acredita que “para muitos cidadãos, a principal motivação para exigir regras mais rígidas e mais sanções é uma preocupação ética, um desejo de ver o sofrimento animal evitado ou pelo menos reduzido. Então, para eles, qualquer melhoria seria um ganho em si, além da redução dos riscos à saúde pública e às preocupações ambientais”.

O relatório não é apenas sobre os cidadãos, pois os agricultores também se beneficiariam de um sistema mais justo e transparente que “recompensaria sistemas de alto bem-estar animal com generoso apoio público”.

“Muitos agricultores lamentam a falta de transparência e controle que encontram no sistema atual; a maioria deles cuida dos animais criados ou nascidos em sua fazenda, mas muitas vezes não sabem que destino os espera depois de vendê-los.”

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA