Entre em contato

Das Alterações Climáticas

Sul da Europa se prepara para verão de seca alimentado por mudanças climáticas

Compartilhar:

Publicado

on

O sul da Europa está preparado para um verão cheio de clima seco feroz. Algumas regiões já estão enfrentando escassez de água e os agricultores esperam seus rendimentos mais baixos em anos.

A mudança climática está tornando a região mais quente e anos de seca esgotaram as reservas de água subterrânea. Na Espanha, no sul da França e na Itália, os solos estão completamente secos. O baixo nível do rio e do reservatório está ameaçando a produção de energia hidrelétrica neste verão.

Os cientistas alertam que a Europa experimentará outro verão brutal com o aumento das temperaturas. No ano passado, a Europa experimentou seu Mais quente registrado, que alimentou uma seca que os cientistas da União Europeia disseram ser o pior em pelo menos 500 anos.

A Espanha foi o país mais afetado pela crise neste ano.

Jorge Olcina é professor de geografia na Universidade de Alicante, na Espanha. Ele disse que "a situação de seca vai piorar neste verão".

Nesta fase, também há poucas chances de que a chuva resolva a seca. Olcina explicou que nesta época do ano “a única coisa que poderíamos ter seriam tempestades localizadas que não resolveriam o déficit de chuvas”.

Em uma carta à Comissão Européia em 24 de abril, o ministro da Agricultura da Espanha, Luis Planas, solicitou assistência emergencial da UE. Ele alertou que "as consequências desta seca são tão severas que não podem ser enfrentadas apenas com fundos nacionais".

TENDÊNCIA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS

O sul da Europa não é a única região atingida por uma grave escassez de água neste ano. O Corno de África experimentou o seu seca mais severa em décadas. Enquanto isso, uma seca histórica atingiu a safra de soja e milho da Argentina.

Anúncios

Os cientistas previram que a mudança climática causará secas mais frequentes e severas na região do Mediterrâneo, onde as temperaturas estão agora 1.5°C mais altas do que há 150 anos.

Hayley Fowler é professora de Impactos das Mudanças Climáticas na Universidade de Newcastle. Ela disse: "Em termos de sinais de mudança climática, isso se encaixa muito bem com o que esperamos".

A preparação para essas previsões de longa data ainda está atrasada. Muitas áreas agrícolas ainda não adotaram técnicas de economia de água, como irrigação de precisão, ou mudaram para culturas resistentes à seca, como girassóis.

De acordo com o site do governo Propluvia, a França experimentou o inverno mais seco desde 1959. Os "alertas de crise" de seca já foram ativados em quatro prefeituras, restringindo as retiradas de água para usos não prioritários, incluindo a agricultura.

Portugal também vive um aparecimento precoce da seca. Cerca de 90% do território continental de Portugal está em situação de seca. Uma seca severa afeta um quinto, o que é cinco vezes mais do que a área relatada há apenas um ano.

Na Espanha, onde as chuvas foram menos da metade da média até abril deste ano, milhares contam com caminhões para entregar água potável. Regiões como a Catalunha implementaram restrições de água.

Grupos de agricultores relataram que alguns agricultores já haviam sofrido perdas de safra de até 80%. Cereais e oleaginosas estavam entre as culturas afetadas.

Pekka Pesonen, da associação agrícola europeia Copa-Cogeca, disse que a Espanha sofreu a pior perda de safra em décadas. "Está pior do que no ano passado."

Segundo a Comissão, a Espanha produz metade das azeitonas da UE e um terço das frutas.

Na semana passada, foi alocado mais de € 2 bilhões para financiamento de resposta a emergências. A Comissão ainda não respondeu ao seu pedido de retirar 450 milhões de euros do orçamento da UE para subsídios agrícolas.

A Comissão disse que estava acompanhando de perto a situação.

"A seca severa no sul da Europa é especialmente preocupante. Não apenas para os agricultores, mas também porque pode aumentar os já altos preços dos consumidores se a produção da UE for substancialmente menor", disse Miriam Garcia Ferrer, porta-voz da Comissão.

Espera-se que lutas semelhantes sejam vividas na Itália, onde até 80% da água é usada para agricultura. Os agricultores italianos planejam reduzir suas plantações este ano devido à fina cobertura de neve nas montanhas e à baixa umidade do solo.

Luca Brocca é o diretor de Pesquisa do Conselho Nacional de Pesquisa da Itália. Ele disse que, após dois anos de seca, o norte da Itália teve um déficit de 70% de água da neve e de 40% de umidade do solo.

Essa profunda escassez pode levar a uma repetição do verão do ano passado, quando a Itália experimentou seu pior seca 70 por anos.

“2022 foi verdadeiramente excepcional”, disse Brocca, acrescentando: “Este ano também parece ser excepcional”.

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA