Entre em contato

O negócio

#WeChat Terras na Europa

Compartilhar:

Publicado

on

Usamos sua inscrição para fornecer conteúdo da maneira que você consentiu e para melhorar nosso entendimento sobre você. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

Logotipo WeChatImagine, vender globalmente seu estoque completo de bens de consumo em apenas 18 horas e fechar o dia com faturamento total de 640,000 EURO. Imagine que você pudesse conseguir isso sentado confortavelmente na sede da sua empresa, sem loja física em nenhum dos mercados-alvo.

 

Na verdade, você não precisa imaginar.

 

Na verdade, isso foi conseguido há dois anos, pela empresa de artigos de luxo Dior controlada pelo empresário francês Bernard Arnault, por meio da rede social chinesa WeChat.

O WeChat, criado pelo gigante da tecnologia da China Tencent há menos de seis anos, é de longe a plataforma de bate-papo preferida do povo chinês. O WeChat é usado mensalmente por 847 milhões de pessoas dentro e fora do país. Praticamente todos os que possuem um smartphone na China são usuários do WeChat. O WeChat não só está em primeiro lugar no ranking de aplicativos sociais da China, mas também está muito acima dos concorrentes, com uma taxa de penetração de 80%. O WeChat é seguido pelo QQ, também propriedade da Tencent, com uma taxa de penetração de 49%. O número três é o Weibo, com apenas 7.5% de penetração.

Mas os números não retratam a característica mais promissora do WeChat, que muitos argumentam que conseguiu em apenas alguns anos criar um ecossistema completamente novo, ou melhor, recriar o próprio conceito da Internet na China e consolidar o uso do WeChat na vida diária dos chineses. As pessoas não usam a plataforma apenas para bater um papo com amigos e colegas, mas também para ligar, enviar fotos e documentos, compartilhar momentos alegres do dia, comprar mercadorias em lojas físicas por meio de códigos QR, ler e compartilhar notícias, para jogar, pesquisar e comprar coisas online, chamar táxis, pedir comida e pagar contas em restaurantes, enviar dinheiro digital uns para os outros e muito mais.

Anúncios

 

Boas notícias para a Europa: o WeChat chegou à Europa. Tendo estabelecido um primeiro escritório em Milão em 2015, o plano para 2017 é chegar a outras capitais europeias, incluindo Londres e Paris, em particular para ajudar as marcas europeias a vender, ou aumentar as vendas para consumidores chineses.

A China é cada vez mais criticada por seus requisitos frequentemente complicados de entrada no mercado. O WeChat oferece uma solução acessível - custos de marketing na faixa de 15,000 EURO - e simples para abrir uma presença online e vender com eficácia no mercado chinês sem ter que pagar por uma licença comercial chinesa ou ter de parceria com um agente local nem sempre confiável.

Em 26 de janeiro, o WeChat realizou a primeira apresentação de seu roadshow europeu no novíssimo Tangla Luxury Hotel em Bruxelas. Durante o workshop de duas horas, organizado com a ajuda da ChinaEU, Andrea Ghizzoni, a nova Diretora da Tencent-WeChat Europe, esteve no palco central apresentando as funcionalidades da plataforma como uma poderosa ferramenta de exportação para a China. Cerca de 40 representantes das indústrias de luxo, moda, varejo, alimentação, turismo e hospitalidade de toda a Europa participaram do workshop, incluindo alguns nomes famosos como Jil Sander, LVMH, Ferrero, FederlegnoArredo, Marriott e Radisson Blu Balmoral. Participantes muito ansiosos foram também as representações permanentes de vários países europeus interessados ​​em atrair mais turistas chineses.

Em suas observações introdutórias, Claudia Vernotti, Diretora da ChinaEU, lembrou que  "Os chineses farão 700 milhões de visitas ao exterior nos próximos cinco anos ”, referindo-se aos números anunciados pelo presidente Xi Jinping em seu recente discurso em Davos,“ os turistas chineses estão entre os que mais gastam no mundo, representando até 40% do luxo global vendas, das quais 80% são realizadas no exterior." Os chineses gastaram 1.2 trilhão de RMB (aproximadamente € 163 bilhões) no exterior em 2015. No mesmo ano, doze milhões de turistas da China visitaram a Europa. Se os números aumentarem, tudo isso será benéfico para a indústria europeia, sejam as marcas de luxo, a hotelaria ou os fornecedores de turismo, que hoje empregam um quinto da indústria europeia de serviços.

"O que torna o WeChat particularmente interessante aos olhos das marcas ocidentais é que ele pode prever aproximadamente quando um chinês fará uma visita à Europa, fornecendo assim uma ferramenta poderosa para influenciar as escolhas do consumidor e a experiência de compra,explicou Andrea Ghizzoni no workshop. Acionando o que é chamado de "super segmentação", o WeChat permite que os comerciantes segmentem um público-alvo bem definido, com base na idade, sexo, poder de compra, localização geográfica, probabilidade de visitar um país em breve etc., atraia-os como seguidores e envie-os pessoalmente mensagens de comunicação, promoções especiais ou cupons na China e quando estiverem viajando.

A Austrália e vários países do Sudeste Asiático já começaram a usar este canal. É hora de a Europa fazer o mesmo e aproveitar totalmente o potencial do WeChat. Participaram do workshop, entre outros, a Missão Chinesa na UE e a Comissão Europeia, que coordenam as atividades para o Ano do Turismo UE-China 2018. Eric Philippart (DG GROW), Conselheiro Especial da iniciativa, ouviu muito o workshop cuidadosamente e observei que as atividades preparatórias terão início em maio deste ano, com match making B2B e momentos institucionais de alto nível ocorrendo ao longo de 2018.

Antecipando preocupações relacionadas à concorrência e privacidade eletrônica, que recentemente colocaram sob fogo uma série de empresas americanas de tecnologia que operam na Europa, Ghizzoni apontou: "Os usuários não ficam incomodados com as mensagens de marketing no WeChat porque há um limite na frequência com que podem ser enviadas, com não mais do que o envio de mensagens por semana e nenhum algoritmo é usado pelo WeChat para filtrar postagens ou anúncios aos usuários. Da mesma forma, as marcas não se preocupam em entrar na plataforma porque não são obrigadas a fornecer ao WeChat quaisquer dados corporativos, portanto, não têm nada a perder."

Mais informação

Por favor, clique SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA assistir a um vídeo com os destaques do evento incluindo uma seleção das entrevistas a alguns dos participantes.

A apresentação completa feita por Andrea Ghizzoni no workshop pode ser encontrada SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA.

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA