Entre em contato

EU

Eleições para o Parlamento Europeu: “Os cidadãos deveriam poder candidatar-se noutro país da UE com mais facilidade”

Compartilhar:

Publicado

on

-Parlamento-hemiciclo europeuSob as regras da UE que devem estar em vigor em todos os Estados-Membros a partir de hoje (29 janeiro), será mais fácil para os cidadãos da UE que vivem noutro Estado-Membro para se apresentarem como candidatos nas eleições para o Parlamento Europeu 2014. A nova lei, acordada no final de 2012 (MEMO / 12 / 1020) E que é uma atualização de regras anteriores (Directiva 2013 / 1 / UE), Simplifica o procedimento para os cidadãos da UE não nacionais de elegibilidade para o Parlamento Europeu.

Os Estados-Membros tinham até ontem (28 2014 janeiro) para implementar as regras atualizadas. No entanto, de acordo com as últimas informações recebidas pela Comissão Europeia, apenas 14 Estados membros (Croácia, Chipre, Alemanha, Estónia, Finlândia, Hungria, Irlanda, Letónia, Luxemburgo, Países Baixos, Portugal, Eslovénia, Suécia e Reino Unido) têm formalmente notificada suas leis no tempo para o prazo. A nova lei é parte de uma série de medidas tomadas pela Comissão Europeia para promover a participação nas eleições para o Parlamento Europeu, que terá lugar entre 22-25 2014 Maio (ver também IP / 13 / 215).

“Europe must be built with the participation of Europeans. It is essential that citizens have their say as the European Union develops and moves forward. Every EU citizen has the right to vote or stand as a candidate in European elections, whether they live in their own country or in another member state. This right must be effective across the Union,” said Vice President Viviane Reding, the EU’s commissioner for justice, fundamental rights and citizenship. “I am disappointed to see that only half of the EU’s member states have met the deadline for updating these rules. I call on those who have not yet implemented the rules to do so urgently, so that EU citizens can exercise their rights in the forthcoming elections. In the run-up to the European Parliament elections, the European Commission will keep a close eye on the situation. Every vote counts in an election.”

Na sua Relatório sobre a Cidadania da UE 2010, A Comissão abordou a questão da constante declínio de participação nas eleições do Parlamento Europeu e da necessidade de facilitar a participação dos cidadãos da UE nas eleições (IP / 10 / 1390, MEMO / 10 / 525). Simplificando os procedimentos para os cidadãos da UE não nacionais de elegibilidade no Estado-Membro de residência é uma forma de abordar esta questão.

Under the new EU rules, candidates would no longer be obliged to return to their home member state to obtain a certificate stating that they are not deprived of their right to stand as a candidate. Instead, when applying to stand as a candidate in their member state of residence they would only be required to provide a declaration in that sense and the burden of proof would be on the Member State of residence’s electoral authority.

A Comissão também tomou medidas para garantir que os cidadãos da UE que residem num Estado-Membro diferente do seu próprio país pode participar nas eleições europeias sob as mesmas condições que os cidadãos nacionais (IP / 13 / 874), Em linha com a legislação da UE (Ação 18 do Relatório sobre a Cidadania da UE 2010).

Contexto

Anúncios

Graças à cidadania da UE - que complementa, mas não substitui a cidadania nacional - todos os nacionais dos Estados membros 28 tem um conjunto de direitos adicionais, como cidadãos da UE. Estes incluem o direito de voto e de elegibilidade nas eleições locais e para o Parlamento Europeu no país da UE em que vivem. Mais de 14 milhões de cidadãos da UE vivem atualmente em outro Estado-Membro dos seus, incluindo mais de 8 milhões em idade de votar.

Após discussões sobre regras propostas para facilitar a utilização dos direitos dos cidadãos da UE de voto e elegibilidade nas eleições europeias foram bloqueados no Conselho em 2008, a Comissão Europeia relançou as negociações em outubro 2011. Fê-lo, concentrando-se no aspecto principal da proposta inicial da UE a partir de 2006: simplificação dos procedimentos para os cidadãos da UE não nacionais para se apresentarem como candidatos. Como resultado, foram adoptadas as regras de 20 2012 dezembro (MEMO / 12 / 1020), Com um prazo para a sua execução para o direito nacional de dois anos após publicação no Jornal Oficial da União Europeia.

Em 2006 a Comissão Europeia tinha proposto a alterar as regras de 1993 que estabelecem acordos para permitir que os cidadãos da UE a fazer uso do seu direito de eleger e ser eleito nas eleições para o Parlamento Europeu no Estado-Membro da UE em que vivem.

The Commission’s proposal would have simplified the procedure for those candidates standing in another member state to their own and reformed the mechanism to prevent double voting in European elections. As member states were unable to agree unanimously on the arrangements concerning double voting, negotiations on the proposal were suspended in 2008.

Mais informação

Comissão Europeia: a cidadania da UE

Homepage de Vice-Presidente Viviane Reding

Siga o Vice-Presidente no Twitter:@ VivianeRedingEU

Siga Justiça da União Europeia no Twitter: EU_Justice

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA