Entre em contato

Frontpage

Uma nova estratégia internacional para #Wales

Publicados

on

O ministro de Relações Internacionais Eluned Morgan lançou a primeira Estratégia Internacional do País de Gales, promovendo o país como uma nação de aparência externa pronta para trabalhar e comercializar com o resto do mundo.

A estratégia se baseará na crescente reputação internacional do País de Gales em sustentabilidade e responsabilidade global e estabelecerá vínculos com a diáspora galesa em todos os continentes.

Ele está sendo lançado enquanto o Reino Unido se prepara para deixar a UE e negociar um novo relacionamento com a União Europeia e acordos comerciais com parceiros internacionais em todo o mundo.

Eluned Morgan disse: “Uma forte presença internacional tem never foi mais relevante para o país de Gales.

"Após o referendo da UE em 2016 e a incerteza em curso em torno do futuro relacionamento do Reino Unido com a Europa, o País de Gales continuará seu lugar no cenário internacional com vigor renovado".

A Estratégia Internacional tem três ambições principais nos próximos cinco anos:

  • Aumentar o perfil do País de Gales no cenário internacional
  • Crescer a economia aumentando as exportações e atraindo investimentos internos

Estabelecer o País de Gales como uma nação globalmente responsável

É o início de uma nova abordagem de como o governo galês promove o País de Gales internacionalmente, identifica os principais mercados globais do país em um cenário pós-Brexit e destaca três setores nos quais o País de Gales é reconhecido como líder mundial - segurança cibernética, semicondutores compostos e indústrias criativas. Isso projetará uma nova imagem dinâmica e vibrante do país de Gales como uma nação moderna, confiante, de alta tecnologia, criativa e sustentável.

Falando antes do lançamento na Econotherm, uma empresa de exportação baseada em Bridgend que alcançou um crescimento ano a ano e foi recentemente reconhecida no País de Gales Fast Growth 50, o Ministro disse:

“Como primeiro ministro das Relações Internacionais do País de Gales, era importante reunir as realizações dos últimos 20 anos e usá-las como base para definir a futura abordagem do país em seu trabalho internacional.

“Para uma nação pequena e inteligente, o País de Gales tem uma reputação que se estende muito além de suas fronteiras. A estratégia se baseará nessa reputação e mostrará o País de Gales como uma nação que será conhecida por sua criatividade, sua experiência em tecnologia e seu compromisso com a sustentabilidade. ”

O ministro estava visitando Bruxelas e Paris para promover a estratégia.

coronavírus

Vacinas COVID-19: mais solidariedade e transparência necessárias 

Publicados

on

MEPs supported the EU's common approach to fighting COVID-19 and called for more unity and clarity during a debate on the roll-out of vaccines and the EU's vaccines strategy.

During a plenary debate on 19 January about the EU’s strategy on Covid-19 vaccinations, most MEPs expressed support for the EU's common approach, which ensured the quick development and access to safe vaccines. However, they called for even more solidarity when it comes to vaccinations and transparency regarding contracts with pharmaceutical companies.

Esther de Lange (EPP, Netherlands) said: “Only more transparency can take away the widespread perception – whether this is justified or not – that often, too often, profit is put before people in this (pharmaceutical) industry.” She praised the EU's joint purchase of vaccines, which led to a stronger negotiation position than individual EU countries would have had: “That means more vaccines for a better price and under better conditions. It shows what Europe can do when we stand united. We can help save lives.”

Iratxe García Pérez (S&D, Spain) warned against "health nationalism" that could damage cooperation on vaccines in Europe. According to her, solidarity and unity is the answer: “If we can keep unity and have equitable distribution of vaccines in member states, we have reasons to believe that 380 million European citizens will be vaccinated by the summer. This is a scientific and health feat that cannot be ruined by parallel contracts and direct purchases." She added: "Let us speak with one voice so that the largest vaccination campaign in history will bring hope back to us in 2021.”

“What are we doing exactly to increase the speed of administering vaccines across the EU?” asked Dacian Cioloș (Renew, Romania). “I know this is a race against time, but in this race we cannot forget that we have a responsibility to do things in full transparency, a responsibility to our citizens to gain their trust. That trust is largely what the vaccination campaign depends on."

Joëlle Mélin (ID, France) said the negotiation of the vaccine contracts lacked transparency. “We are now in the distribution phase and we discover that there are shortages and broken promises from the pharmaceutical companies,” she added.

Philippe Lamberts (Greens/EFA) also talked about the need for transparency and the fact that the European Commission kept the contracts with laboratories secret: “This opaqueness is an insult to democracy. In every single contract the buyer has to know what he or she is buying at what conditions and what price.” He also spoke about potential liability issues: “It is crucial to know who will hold the liability if there were to be negative side effects of the vaccination - would it be the public decision makers or would it be the drug makers? We have no idea.”

Joanna Kopcińska (ECR, Poland) said the decision for the common vaccination strategy was right: “We need an overarching strategy and of course scepticism has a lot to do with a fear that the vaccination is moving slowly, the delivery is maybe late and the contracts are not transparent." She called for the systematic update of treatment strategies and appropriate information campaigns that reach out to everyone.

Marc Botenga (The Left, Belgium) called for more transparency of contracts and responsibility from pharmaceutical companies. He criticised uneven access to vaccines globally, noting poorer regions have difficulties obtaining enough vaccines. “No profit needs to be made on this pandemic and we certainly do not want segregation at vaccinations.”

Plenary debate on the EU global strategy on Covid-19 vaccinations Some of the speakers during the debate on COVID-19 vaccinations  

Health Commissioner Stella Kyriakides assured MEPs that their calls for transparency had been heard. She welcomed the fact that the first of the vaccine suppliers had agreed to make the text of their contract available and said the Commission was working to get other producers to do the same.

Kyriakides said she expects to see more applications for the authorisation of vaccines in the coming months. She stressed the importance of a global approach: “No country will be safe and no economy will truly recover until the virus is under control in all continents." She also talked about Covax - the global facility to ensure fair and universal access to Covid-19 vaccines that the EU helped to set up - which aims to purchase two billion doses by the end of 2021, including more than 1.3 billion for lower- and middle-income countries.

Ana Paula Zacarias, the Portuguese Secretary of State for European Affairs who was speaking on behalf of the Council, said the common EU approach, which sped up the process of developing, authorising and securing access to vaccines, must continue to ensure the availability and efficient rollout of vaccines in all member states.

Zacarias said that a number of issues still need to be resolved, including the format and role of the vaccination certificate, a common approach on the use and validation of antigen rapid tests and the mutual recognition of COVID-19 test results.

Backgound: Race for vaccines

From the very beginning of the coronavirus outbreak, the European Parliament has closely followed the vaccine research and development process. The EU coordinated a joint effort to secure the speedy deployment of vaccines against the disease, through the mobilization of hundreds of million euro for research projects and more flexible procedures. Parliament approved a temporary derogation from certain rules for clinical trials to allow vaccines to be developed faster.

MEPs on the health committee repeatedly highlighted the need for public trust in vaccines and the importance of fighting disinformation and asked for more transparency regarding vaccine contracts, authorization and deployment in the EU.

Sob o Estratégia de Vacinas da UE launched in June 2020, the Commission negotiated and concluded advance purchase agreements with vaccines developers on behalf of EU countries; the EU covers part of the costs faced by the producers in return for the right to buy a specified amount of vaccine doses in a given timeframe and at a given price, once they are granted market authorisation. So far, six contracts with pharmaceutical companies have been concluded.

After scientific evaluation and positive recommendation by the Agência Europeia de Medicamentos, the European Commission  granted conditional market authorisation to the first vaccine against Covid-19, developed by BioNTech and Pfizer, on 21 December 2020. Vaccinations across the EU started shortly afterwards on 27 December. On 6 January 2021, Moderna’s vaccine was given conditional market authorisation. The vaccine developed by AstraZeneca could be authorised by the end of January.

Leia mais

coronavírus

Líderes da UE ponderam restrições de viagens sobre temores de variantes do vírus

Publicados

on

By

Os líderes da União Europeia estavam tentando na quinta-feira (21 de janeiro) abordar os desafios crescentes da pandemia do coronavírus, incluindo o aumento dos pedidos para limitar as viagens e apertar os controles de fronteira para conter mais variantes infecciosas da doença, escreve .

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse antes de uma videoconferência de líderes noturnos que os países europeus precisam levar a sério a nova mutação encontrada na Grã-Bretanha para evitar uma terceira onda.

“Não podemos descartar o fechamento de fronteiras, mas queremos evitá-los por meio da cooperação dentro da União Europeia”, disse ela em entrevista coletiva em Berlim.

Os líderes, que têm controle total sobre suas próprias fronteiras, estão discutindo os protocolos de teste para os passageiros que cruzam a fronteira, acrescentou ela.

Alexander De Croo, primeiro-ministro da Bélgica, onde os casos per capita são mais baixos do que em seus vizinhos, disse que pediria a outros líderes da UE que suspendessem as viagens não essenciais, como o turismo.

“A menor faísca pode empurrar as figuras de volta para cima. Precisamos proteger nossa boa posição ”, disse ele à emissora VRT.

Os chefes das instituições da UE pediram aos líderes que mantenham a unidade e intensifiquem os testes e vacinações, embora Merkel tenha dito que não espera nenhuma decisão formal a ser tomada na reunião a partir das 6h (1700h GMT), a nona do tipo desde o início da pandemia .

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse na quarta-feira que o fechamento geral das fronteiras não fazia sentido e não era tão eficaz quanto as medidas direcionadas.

O ministro das Relações Exteriores de Luxemburgo, Jean Asselborn, cujo país depende de passageiros de seus vizinhos, disse à rádio Deutschlandfunk que o fechamento da fronteira foi errado em 2020 e ainda será errado em 2021.

O executivo da UE também quer que os Estados membros concordem com uma abordagem comum para os certificados de vacinação até o final de janeiro. Portanto, um certificado da Estônia seria aceito em Portugal, por exemplo.

O primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis, sugeriu na semana passada que eles poderiam ajudar a restaurar as viagens internacionais. A Espanha está promovendo a ideia dentro da UE e da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), disse seu ministro das Relações Exteriores na quinta-feira.

Diplomatas da UE disseram que isso é prematuro, pois ainda não está claro se as pessoas vacinadas ainda podem transmitir o vírus a outras pessoas.

“Quanto a terceiros países (não pertencentes à UE), então você teria que considerar se aceita vacinas russas ou chinesas”, acrescentou um deles.

Leia mais

coronavírus

Bloqueio estendido necessário para retardar a disseminação da mutação COVID - Merkel

Publicados

on

By

Chanceler Angela Merkel (foto) na quinta-feira (21 de janeiro) defendeu a decisão de estender um bloqueio rígido na Alemanha por duas semanas até meados de fevereiro, dizendo que era necessário retardar uma nova e mais agressiva variante do coronavírus, escreva para Thomas Escritt e Riham Alkousaa.

Falando em uma entrevista coletiva, Merkel disse que, embora as restrições mostrassem resultados na forma de menos novas infecções, seria um erro abrandar os freios, já que a mutação foi identificada na Alemanha.

“Nossos esforços enfrentam uma ameaça e essa ameaça é mais clara agora do que no início do ano e esta é a mutação do vírus”, disse Merkel.

“As descobertas mostram que o vírus mutante é muito mais infeccioso do que o que tivemos por um ano e esta é a principal razão para o aumento agressivo de infecções na Inglaterra e na Irlanda”.

Merkel disse que a mutação ainda não era dominante na Alemanha e que apenas uma abordagem cautelosa poderia prevenir um aumento agressivo de novas infecções diárias causadas pela nova variante identificada pela primeira vez na Inglaterra.

A Alemanha, que está em bloqueio desde o início de novembro, relatou mais de 1,000 mortes e mais de 20,000 novas infecções na quinta-feira. Merkel e líderes estaduais concordaram na terça-feira em estender um bloqueio rígido que mantém escolas, restaurantes e todos os negócios não essenciais fechados até 14 de fevereiro.

“Essa mutação foi identificada na Alemanha, mas não é dominante, pelo menos ainda não”, disse Merkel. “Ainda assim, precisamos levar muito a sério a ameaça representada por essa mutação. Precisamos diminuir a propagação dessa mutação o máximo possível. ”

Ela acrescentou: “Não podemos esperar que esta ameaça nos atinja, significando um aumento agressivo das infecções, que seria tarde demais para prevenir uma terceira onda da pandemia. Ainda podemos evitar isso. Ainda temos algum tempo. ”

Merkel disse que as vacinas podem ser adaptadas para novas variantes do vírus e a Alemanha deve ser capaz de vacinar todos até o final do verão.

Leia mais
Anúncios

Twitter

Facebook

Tendendo