Entre em contato

Política

Semana seguinte: comércio de tecnologia UE-EUA e tribulações

Compartilhar:

Publicados

on

Usamos sua inscrição para fornecer conteúdo da maneira que você consentiu e para melhorar nosso entendimento sobre você. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

Ainda não sabemos o resultado das eleições federais alemãs, mas na próxima semana - e talvez semanas - veremos um novo governo de coalizão emergir. Que variedade de coalizões é formada e o que isso significará para o resto da Europa ainda está para ser visto, mas um modelo de crescimento que é tão altamente dependente das exportações, especialmente para a China, apresentará desafios muito reais para qualquer novo governo. 

Futuro fiscal

Parece haver um acordo generalizado de que a Alemanha precisa investir extensivamente na renovação e atualização de sua infraestrutura, o que poderia ajudar nas discussões da UE sobre o futuro do “pacto de estabilidade e crescimento”, que será reaberto para consulta. 

Anúncios

Aukward

As tensões entre os EUA e a França sobre a retirada da Austrália de um acordo de submarino com pouco ou nenhum aviso aos parceiros franceses quase atrapalhou a reunião de comércio e tecnologia UE-EUA. Em vez disso, a reunião está acontecendo, mas sem uma entrevista coletiva. A Austrália decidiu escolher os Estados Unidos e - em menor medida - o Reino Unido em vez da França, que desafiou os acordos diplomáticos ao ponto de ruptura - com a França chamando brevemente seus embaixadores dos Estados Unidos e da Austrália.

O Conselho de Comércio e Tecnologia (TTC) UE-EUA se reunirá pela primeira vez na quarta-feira (29 de setembro. A reunião fornece uma plataforma mais formal para ajudar no alinhamento e abordar áreas de preocupação comum e terá dez grupos de trabalho, incluindo regras de IA, semicondutores, controle de exportação, análise de investimento estrangeiro e a relação entre comércio, tecnologia e segurança. Há uma clara preocupação com a China e um reconhecimento de que esta é uma preocupação mútua para a UE e os EUA. O vice-presidente executivo Valdis Dombrovskis irá para Pittsburgh para liderar o lado da UE.

Anúncios

No entanto, a UE e os EUA tiveram suas próprias complicações com a tecnologia. A proteção de dados, os julgamentos Schrems sobre o Safe Harbor e seu sucessor Privacy Shield sobre o compartilhamento de dados com os EUA ainda não foram totalmente resolvidos. 

Esta semana também assistimos ao início de audiências no tribunal superior da UE sobre a contestação do Google / Alphabet à decisão da Comissão Europeia de multá-los em € 4.34 bilhões por violar as regras de concorrência da UE - uma decisão que data de 2018. A multa está amplamente ligada ao Google exigindo que os fabricantes pré-instalem a Pesquisa do Google em telefones celulares.

O Parlamento vai realizar uma audição no início da semana sobre as relações comerciais UE / EUA.

Sérvia / Kosovo

O presidente da Comissão Europeia, von der Leyen, irá aos Bálcãs esta semana, incluindo visitas planejadas ao Kosovo e à Sérvia. A visita ocorre no momento em que a Sérvia intensifica sua presença na fronteira com Kosovo. O Alto Representante da UE, Josep Borrell, emitiu um afirmação ontem (26 de setembro) apelando para a redução da escalada e um retorno ao diálogo facilitado pela UE como a única plataforma para abordar e resolver todas as questões em aberto entre as partes. Os principais negociadores de ambos os lados concordaram em visitar Bruxelas esta semana para discutir soluções. Borrell também esteve em contacto com o Secretário-Geral da OTAN, Jens Stoltenber, para discutir a cooperação com a missão da OTAN no Kosovo e as suas relações com a EULEX. 

O Conselho de Competitividade se reunirá em 28-29 de setembro, os ministros se concentrarão na pesquisa na terça-feira (Uma Abordagem Global para a Pesquisa e Inovação, o Espaço Europeu de Pesquisa) e na política industrial na quarta-feira (a Nova Estratégia Industrial e formulação de políticas preparadas para o futuro para competitividade da UE).

O Parlamento se reunirá para reuniões de comitês e grupos esta semana. Entre as questões mais importantes estarão as discussões do comitê sobre as emendas às Leis de Serviços Digitais e Mercados Digitais. A Conferência dos Presidentes do PE reunir-se-á com o Vice-Presidente Maroš Šefčovič sobre a criação de uma Assembleia Parlamentar de Parceria UE-Reino Unido. 

Também na ordem do dia do Parlamento (e com cortesia do Parlamento):

BCE / Lagarde. Membros do Comitê de Assuntos Econômicos e Monetários vão questionar a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, sobre a situação da zona do euro. Inflação, riscos para a estabilidade de preços, reações desordenadas do mercado após a pandemia e a revisão da estratégia de política monetária do BCE estão entre os tópicos que provavelmente serão levantados (segunda-feira).

Revisão das redes transeuropeias de energia (RTE-E). A Comissão da Indústria e da Energia votará a sua posição sobre as novas orientações da UE para a seleção dos projetos a financiar. Os Projetos de Interesse Comum selecionados devem melhorar a conexão entre os mercados nacionais, garantir o abastecimento e promover as energias renováveis. Financiamento de combustíveis fósseis e captura de hidrogênio e carbono também devem ser abordados (terça-feira).

Controle de orçamento / FRONTEX. Na sequência de uma decisão do Parlamento, em abril, de adiar o apuramento das contas (a chamada quitação) da Agência Europeia da Guarda Costeira e de Fronteiras (Frontex), a Comissão do Controlo Orçamental votará se a quitação deve ou não ser concedida. Os eurodeputados precisavam de esclarecimentos sobre uma série de questões, por exemplo, atrasos no recrutamento de responsáveis ​​pelos direitos fundamentais, desequilíbrio entre os sexos, casos relatados de assédio e reuniões com lobistas que não constam do registo de transparência da UE (segunda-feira).

Procurador Europeu / Kövesi. Membros da Comissão de Controle Orçamentário discutirão com a procuradora-chefe da UE, Laura Kövesi, como o Ministério Público da UE se saiu nos primeiros meses na luta contra crimes financeiros. A carga de trabalho do Gabinete, a sua falta de pessoal, bem como os procedimentos de nomeação dos procuradores delegados, deverão ser levantados pelos eurodeputados (sexta-feira).

Estado de direito / Hungria. Uma delegação do Comitê de Liberdades Civis viajará a Budapeste para avaliar a situação em relação ao estado de direito, liberdade da mídia, sistema educacional e direitos das minorias. Os eurodeputados vão encontrar-se, entre outros, com o Presidente da Câmara de Budapeste, membros dos Tribunais Supremos e Constitucionais, o comissário para os direitos fundamentais, ONG e jornalistas (quarta a sexta-feira).

Orçamento da UE para 2022. A Comissão dos Orçamentos definirá a sua posição de negociação sobre o orçamento da UE para 2022. Os eurodeputados querem que o orçamento apoie a recuperação da crise do COVID-19 e estabeleça as bases para uma União mais resiliente (terça-feira).

Painéis de Cidadãos Europeus / Conferência sobre o Futuro da Europa. Os Painéis de Cidadãos Europeus continuarão as suas discussões com o terceiro encontro de 200 cidadãos em Estrasburgo. Ele se concentrará nas mudanças climáticas, meio ambiente e saúde. Os Painéis apresentarão recomendações que contribuirão para as deliberações da Conferência e, em última instância, para o relatório sobre seu resultado final (sexta a domingo).

Prémio Sakharov 2021. Os nomeados para o Prémio Sakharov para a Liberdade de Pensamento deste ano serão apresentados aos eurodeputados numa reunião conjunta das comissões dos Negócios Estrangeiros e do Desenvolvimento e da Subcomissão dos Direitos do Homem (segunda-feira).

Preparação da plenária. Os grupos políticos irão preparar-se para a sessão plenária de 4-7 de outubro, onde os eurodeputados irão discutir o futuro das relações UE-EUA e votar resoluções sobre a crise humanitária ao longo da fronteira UE-Bielorrússia e a guerra híbrida do regime bielorrusso contra a UE, no estado das capacidades de ciberdefesa da UE e numa parceria UE-Taiwan. Eles também irão debater e votar sobre o uso de inteligência artificial pela polícia, sobre como cumprir a ambição da UE de zero mortes na estrada até 2050, sobre oportunidades e desafios de segurança no Ártico, sobre a reforma da Agência de Asilo da UE e sobre o Fundo fiduciário da UE e facilidade de apoio aos refugiados na Turquia.

coronavírus

Comissão aprova esquema italiano de € 31.9 bilhões para apoiar empresas afetadas pelo surto de coronavírus

Publicados

on

A Comissão Europeia aprovou um esquema italiano de € 31.9 bilhões para apoiar as empresas afetadas pelo surto do coronavírus. O regime foi aprovado ao abrigo do auxílio estatal Estrutura Temporária.

A vice-presidente executiva, Margrethe Vestager, responsável pela política de concorrência, disse: “Muitas empresas na Itália viram suas receitas cair significativamente por causa do surto de coronavírus e das medidas necessárias para limitar sua disseminação. Este esquema de 31.9 bilhões de euros permitirá à Itália apoiar essas empresas, ajudando-as a atender às suas necessidades de liquidez e a cobrir os custos fixos que não são cobertos por suas receitas. Continuamos trabalhando em estreita cooperação com os estados membros para encontrar soluções viáveis ​​para mitigar o impacto econômico do surto de coronavírus, de acordo com as regras da UE. ”

As medidas de apoio italiano

Anúncios

A Itália notificou à Comissão ao abrigo do Quadro Temporário um regime de auxílio de 31.9 mil milhões de euros para apoiar as empresas afectadas pelo coronavírus e as medidas restritivas que o governo italiano teve de implementar para limitar a propagação do vírus.

O regime consiste em duas medidas: (i) montantes limitados de auxílio; e (ii) suporte para custos fixos não cobertos incorridos durante o período entre março de 2020 e dezembro de 2021 ou partes desse período.

O regime estará aberto a todas as empresas, independentemente da sua dimensão e do setor em que operam (com exceção do setor financeiro).

Anúncios

Ao abrigo do regime, os montantes limitados de auxílio assumirão a forma de (i) isenções e reduções fiscais; (ii) créditos fiscais; e (iii) subvenções diretas.

Dado que a maior parte do auxílio será concedida automaticamente e os limites máximos de auxílio serão aplicáveis ​​não apenas ao beneficiário direto, mas também aos seus afiliados, os beneficiários elegíveis terão de indicar numa autodeclaração ex ante o montante dos montantes limitados de auxílio e apoio para custos fixos descobertos solicitados. Tal deverá também permitir que as autoridades italianas controlem melhor o cumprimento do Quadro Temporário, em particular para as empresas do mesmo grupo.

A Comissão concluiu que o regime italiano está em conformidade com as condições estabelecidas no Quadro Temporário. Em particular:

  • Quando se trata de quantidades limitadas de ajuda, o auxílio (i) não excederá € 225,000 por empresa ativa no setor de produção primária de produtos agrícolas, € 270,000 por empresa ativa no setor das pescas e da aquicultura e € 1.8 milhões por empresa ativa em todos os outros setores; e (ii) será concedida até 31 de dezembro de 2021.
  • Quando se trata de suporte para custos fixos descobertos, o auxílio (i) não excederá o montante global de € 10 milhões por empresa; (ii) irá cobrir custos fixos não cobertos incorridos durante um período compreendido entre março de 2020 e dezembro de 2021; (ii) será atribuído apenas a empresas que não se encontrassem em dificuldade já em 31 de dezembro de 2019, com exceção das micro e pequenas empresas que o sejam, mesmo que já em dificuldade; e (iii) será concedida até 31 de dezembro de 2021.

A Comissão concluiu que a medida é necessária, adequada e proporcionada para remediar uma perturbação grave da economia de um Estado-Membro, em conformidade com o artigo 107.º, n.º 3, alínea b), do TFUE e as condições estabelecidas no Quadro Temporário.

Nesta base, a Comissão aprovou a medida de auxílio ao abrigo das regras da UE em matéria de auxílios estatais.

Contexto

A Comissão adoptou um Estrutura Temporária permitir que os Estados-Membros utilizem toda a flexibilidade prevista nas regras dos auxílios estatais para apoiar a economia no contexto do surto do coronavírus. A Estrutura Temporária, conforme alterada em Abril 3, Maio 8, 29 junho, 13 outubro 2020 e 28 de Janeiro de 2021, prevê os seguintes tipos de auxílio, que podem ser concedidos pelos Estados-Membros:

(I) Subsídios diretos, injeções de capital, vantagens tributárias seletivas e adiantamentos até € 225,000 para uma empresa ativa no setor agrícola primário, € 270,000 para uma empresa ativa no setor de pesca e aquicultura e € 1.8 milhões para uma empresa ativa em todos os outros setores para atender às suas necessidades urgentes de liquidez. Os Estados-Membros também podem conceder, até ao valor nominal de 1.8 milhões de euros por empresa, empréstimos a juros zero ou garantias sobre empréstimos que cobrem 100% do risco, exceto no setor agrícola primário e no setor da pesca e aquicultura, onde os limites de Aplicam-se 225,000 € e 270,000 € por empresa, respetivamente.

(Ii) Garantias estatais para empréstimos contraídos por empresas para garantir que os bancos continuem concedendo empréstimos aos clientes que deles precisam. Essas garantias estatais podem cobrir até 90% do risco de empréstimos para ajudar as empresas a cobrir capital imediato de trabalho e necessidades de investimento.

(iii) Empréstimos públicos subsidiados a empresas (dívida sênior e subordinada) com taxas de juros favoráveis ​​para as empresas. Esses empréstimos podem ajudar as empresas a cobrir necessidades imediatas de capital de giro e investimento.

(iv) Salvaguardas para os bancos que canalizam os auxílios estatais para a economia real que esse auxílio é considerado um auxílio direto aos clientes dos bancos, e não aos próprios bancos, e fornece orientações sobre como assegurar o mínimo de distorção da concorrência entre bancos.

(V) Seguro público de crédito à exportação de curto prazo para todos os países, sem a necessidade de o Estado membro em questão demonstrar que o respectivo país é temporariamente “não comercializável”.

(VI) Suporte para pesquisa e desenvolvimento (P&D) relacionados ao coronavírus enfrentar a atual crise da saúde sob a forma de doações diretas, adiantamentos reembolsáveis ​​ou vantagens fiscais. Pode ser concedido um bônus por projetos de cooperação transfronteiriça entre os Estados membros.

(vii) Apoio à construção e aprimoramento de instalações de teste desenvolver e testar produtos (incluindo vacinas, ventiladores e roupas de proteção) úteis para combater o surto de coronavírus, até a primeira implantação industrial. Isso pode assumir a forma de subvenções diretas, vantagens fiscais, adiantamentos reembolsáveis ​​e garantias sem perdas. As empresas podem beneficiar de um prémio quando o seu investimento é apoiado por mais do que um Estado-Membro e quando o investimento é concluído no prazo de dois meses após a concessão do auxílio.

(viii) Apoio à produção de produtos relevantes para combater o surto de coronavírus sob a forma de subvenções diretas, vantagens fiscais, adiantamentos reembolsáveis ​​e garantias sem perdas. As empresas podem se beneficiar de um bônus quando seu investimento for apoiado por mais de um estado membro e quando o investimento for concluído dentro de dois meses após a concessão do auxílio.

(ix) Apoio direcionado na forma de diferimento de pagamentos de impostos e / ou suspensões de contribuições para a previdência social para os setores, regiões ou tipos de empresas mais atingidos pelo surto.

(X) Suporte direcionado na forma de subsídios salariais para funcionários para as empresas de setores ou regiões que mais sofreram com o surto de coronavírus e, caso contrário, teriam que demitir pessoal.

(XI) Ajuda de recapitalização direcionada para empresas não financeiras, se nenhuma outra solução adequada estiver disponível. Existem salvaguardas para evitar distorções indevidas da concorrência no mercado único: condições sobre a necessidade, adequação e dimensão da intervenção; condições de entrada do Estado no capital das sociedades e remuneração; as condições de saída do Estado do capital das sociedades em causa; condições relativas à governança, incluindo proibição de dividendos e limites de remuneração para a alta administração; proibição de subsídios cruzados e proibição de aquisições e medidas adicionais para limitar as distorções da concorrência; transparência e requisitos de relatórios.

(xii) Suporte para custos fixos não cobertos para empresas que enfrentam um declínio no volume de negócios durante o período elegível de pelo menos 30% em comparação com o mesmo período de 2019 no contexto do surto de coronavírus. O apoio contribuirá para uma parte dos custos fixos dos beneficiários que não são cobertos pelas suas receitas, até ao montante máximo de 10 milhões de euros por empresa.

A Comissão também permitirá que os Estados-Membros convertam até 31 de dezembro de 2022 instrumentos reembolsáveis ​​(por exemplo, garantias, empréstimos, adiantamentos reembolsáveis) concedidos ao abrigo do Quadro Temporário em outras formas de ajuda, como subvenções diretas, desde que as condições do Quadro Temporário sejam cumpridas.

A Estrutura Temporária permite que os Estados membros combinem todas as medidas de apoio, exceto empréstimos e garantias para o mesmo empréstimo e excedendo os limites previstos pela Estrutura Temporária. Além disso, permite que os Estados-Membros combinem todas as medidas de apoio concedidas no âmbito do Quadro Temporário com as possibilidades existentes de conceder de minimis a uma empresa de até € 25,000 em três exercícios fiscais para empresas ativas no setor agrícola primário, € 30,000 em três exercícios fiscais para empresas ativas no setor de pesca e aquicultura e € 200,000 durante três exercícios fiscais para empresas ativas em todos os outros setores. Ao mesmo tempo, os Estados membros precisam se comprometer a evitar a acumulação indevida de medidas de apoio para que as mesmas empresas limitem o apoio para atender às suas reais necessidades.

Além disso, o Quadro Temporário complementa as muitas outras possibilidades já disponíveis aos Estados membros para mitigar o impacto socioeconômico do surto de coronavírus, em conformidade com as regras da UE em matéria de auxílios estatais. Em 13 de março de 2020, a Comissão adotou uma Comunicação sobre uma resposta econômica coordenada ao surto de COVID-19 estabelecendo essas possibilidades. Por exemplo, os Estados membros podem fazer mudanças geralmente aplicáveis ​​em favor das empresas (por exemplo, adiar impostos ou subsidiar trabalhos de curta duração em todos os setores), que estão fora das regras de auxílio estatal. Eles também podem conceder indenização às empresas pelos danos sofridos devido e diretamente causados ​​pelo surto de coronavírus.

O Quadro Temporário estará em vigor até ao final de dezembro de 2021. A fim de garantir a segurança jurídica, a Comissão irá avaliar antes desta data se este deve ser prorrogado.

A versão não confidencial da decisão estará disponível sob o número de processo SA.62668 na registro de auxílio estatal na Comissão competição site, uma vez que qualquer problema de confidencialidade tenha sido resolvido. Novas publicações de decisões sobre auxílios estatais na Internet e no Jornal Oficial estão enumeradas no Notícias eletrônicas semanais da competição.

Podem ser encontradas mais informações sobre o Quadro Temporário e outras medidas tomadas pela Comissão para fazer face ao impacto económico da pandemia do coronavírus aqui.

Leia mais

coronavírus

Comissão aprova esquema francês de 700 milhões de euros para certos varejistas e serviços afetados pela pandemia do coronavírus

Publicados

on

A Comissão Europeia aprovou, ao abrigo das regras de auxílios estatais da UE, um esquema francês de 700 milhões de euros para apoiar certos retalhistas e serviços afectados pela pandemia do coronavírus e medidas restritivas tomadas pelo governo francês para limitar a propagação do vírus.

Vice-Presidente Executivo Margrethe Vestager (retratado), responsável pela política de concorrência, afirmou: "Os fechamentos para limitar a propagação da pandemia resultaram em perdas muito significativas no faturamento de alguns varejistas e serviços. Este esquema de € 700 milhões permitirá à França compensar parcialmente essas empresas pelas perdas incorridas. continuam a trabalhar em estreita cooperação com os estados membros para encontrar soluções viáveis ​​para mitigar o impacto econômico da pandemia do coronavírus, de acordo com as regras da UE ”.

O esquema francês

Anúncios

A França notificou a Comissão de um esquema de € 700 milhões para compensar certos varejistas e serviços por perdas incorridas como resultado das medidas de fechamento administrativo do governo francês para limitar a propagação do coronavírus.

Em resultado direto dessas medidas restritivas, o volume de negócios das empresas em causa diminuiu, ao passo que os seus custos, nomeadamente rendas e outros custos fixos, não puderam ser ajustados em baixa.

O esquema estará aberto a certos pontos de venda (móveis, roupas, TI, artigos esportivos, óticas, joalherias) e alguns serviços (conserto de bens pessoais e domésticos, cabeleireiro e cuidados de beleza) que tiveram que fechar por períodos entre fevereiro e Maio de 2021.

Anúncios

Os beneficiários elegíveis ao abrigo do regime poderão obter uma compensação na forma de subvenções diretas por um valor que não exceda o valor da renda paga durante os períodos de encerramento, menos, se aplicável, qualquer receita de um aumento nas vendas online e outras formas de compensação , como valores pagos por seguradoras.

Com o objetivo de evitar a sobrecompensação das perdas incorridas, o regime prevê ainda um teto de compensação para: (i) as empresas que já apresentavam perdas em 2019; (ii) empresas com alta proporção de vendas online; e (iii) empresas que recebem mais de € 4 milhões de ajuda por mês.

A Comissão avaliou a medida em Artigo 107 (2) (b) TFUE, que autoriza os Estados-Membros a compensar empresas ou setores específicos por danos causados ​​diretamente por ocorrências excecionais, como a pandemia do coronavírus.

A Comissão considerou que o regime de auxílio francês compensará as perdas diretamente relacionadas com a pandemia do coronavírus. Além disso, considerou que a medida era proporcionada na medida em que a compensação prevista não ultrapassava o montante necessário para compensar os prejuízos, tendo em conta o limite previsto nos casos específicos acima referidos.

A Comissão concluiu, por conseguinte, que o regime está em conformidade com as regras da UE em matéria de auxílios estatais.

Contexto

O apoio financeiro da UE ou de fundos nacionais concedido a serviços de saúde ou outros serviços públicos para fazer face à situação do coronavírus não se enquadra no âmbito do controlo dos auxílios estatais. O mesmo se aplica a qualquer apoio financeiro público concedido diretamente aos cidadãos. Da mesma forma, as medidas de apoio público que estão disponíveis para todas as empresas, como subsídios salariais e suspensão do pagamento de impostos sobre empresas e impostos sobre o valor agregado ou contribuições para a segurança social, não estão sob o controle dos auxílios estatais e não requerem a aprovação da Comissão ao abrigo das regras de auxílios estatais da UE. Em todos esses casos, os Estados membros podem agir imediatamente. Quando as regras de auxílio estatal são aplicáveis, os Estados-Membros podem conceber amplas medidas de auxílio para apoiar empresas ou setores específicos que sofrem as consequências da pandemia do coronavírus, em consonância com o atual quadro de auxílios estatais da UE.

Em 13 de março de 2020, a Comissão adotou um Resposta europeia coordenada para combater o impacto econômico da pandemia de Coronavirus estabelecendo essas possibilidades.

Nesse sentido, por exemplo:

  • Os Estados membros podem compensar empresas ou setores específicos (na forma de esquemas) por perdas incorridas e diretamente causadas por ocorrências excepcionais, como as causadas pela pandemia de coronavírus. O artigo 107.º, n.º 2, alínea b), TFUE dispõe para esse efeito;
  • as regras em matéria de auxílios estatais com base no artigo 107.º, n.º 3, alínea c), do TFUE permitem que os Estados-Membros ajudem as empresas afetadas por escassez de liquidez e que necessitem de salvamento urgente e de auxílio;
  • isto pode ser complementado por uma variedade de medidas adicionais, tais como ao abrigo do Regulamento de minimis e do Regulamento Geral de Isenção por Categoria, que também podem ser implementadas pelos Estados-Membros imediatamente, sem o envolvimento da Comissão.

No caso de situações econômicas particularmente graves, como a atualmente enfrentada por todos os Estados-Membros devido à pandemia de coronavírus em curso, as regras dos auxílios estatais da UE permitem que os Estados-Membros concedam ajuda para remediar uma perturbação grave na sua economia. O artigo 107.º, n.º 3, alínea b), TFUE dispõe para esse efeito.

Em 19 de março de 2020, a Comissão adotou um Quadro temporário para medidas de auxílio estatal com base no artigo 107.º, n.º 3, alínea b), do TFUE, para permitir aos Estados-Membros utilizarem plenamente a flexibilidade prevista nas regras dos auxílios estatais para apoiar a economia no contexto da pandemia do coronavírus.

 A Estrutura Temporária, conforme alterada em 3 de abril, 8 de maio, 29 de junho, 13 de outubro 2020 e 28 de janeiro de 2021 prevê os seguintes tipos de auxílios a serem concedidos pelos Estados-Membros: i) subvenções diretas, injeções de capital, incentivos fiscais seletivos e adiantamentos; ii) garantias do Estado para empréstimos contraídos por empresas; iii) empréstimos públicos subsidiados a empresas, incluindo empréstimos subordinados; iv) salvaguardas para os bancos que canalizam ajudas estatais para a economia real; v) seguro público de crédito à exportação de curto prazo; vi) apoio à pesquisa e desenvolvimento (P&D) relacionados ao coronavírus; vii) apoio à construção e ampliação de instalações de teste; viii) apoio à produção de produtos relevantes para o enfrentamento da pandemia do coronavírus; ix) apoio direcionado na forma de diferimento do recolhimento de impostos e / ou suspensão das contribuições previdenciárias; x) apoio direcionado na forma de subsídio salarial aos empregados; xi) suporte direcionado na forma de instrumentos de patrimônio líquido e / ou híbrido; xii) suporte para custos fixos não cobertos para empresas que enfrentam um declínio no faturamento no contexto da pandemia de coronavírus.

O Quadro Temporário estará em vigor até ao final de dezembro de 2021. A fim de garantir a segurança jurídica, a Comissão irá avaliar antes dessa data se deve ser prorrogado.

A versão não confidencial da decisão será disponibilizada sob o número de processo SA.62625 no registro de auxílio estatal na Comissão competição site, uma vez que qualquer problema de confidencialidade tenha sido resolvido. Novas publicações de decisões sobre auxílios estatais na Internet e no Jornal Oficial estão enumeradas no Notícias eletrônicas semanais da competição.

Podem ser encontradas mais informações sobre o Quadro Temporário e outras medidas tomadas pela Comissão para fazer face ao impacto económico da pandemia do coronavírus aqui.

Leia mais

Energia

Preços da energia: a Comissão apresenta uma caixa de ferramentas de medidas para enfrentar situações excepcionais e seus impactos

Publicados

on

A Comissão adoptou um Comunicação sobre preços de energia, para fazer face ao aumento excepcional dos preços globais da energia, que deverá durar até ao inverno, e ajudar os cidadãos e as empresas da Europa. A comunicação inclui uma “caixa de ferramentas” que a UE e os seus Estados-Membros podem utilizar para abordar o impacto imediato dos aumentos de preços atuais e reforçar ainda mais a resiliência contra choques futuros. As medidas nacionais de curto prazo incluem apoio emergencial ao rendimento para famílias, auxílio estatal para empresas e reduções fiscais específicas. A Comissão apoiará também os investimentos em energias renováveis ​​e eficiência energética; examinar possíveis medidas sobre armazenamento de energia e compra de reservas de gás; e avaliar o projeto atual do mercado de eletricidade.

Apresentando a caixa de ferramentas, a Comissária de Energia Kadri Simson disse: “O aumento dos preços globais da energia é uma séria preocupação para a UE. À medida que emergimos da pandemia e iniciamos a nossa recuperação económica, é importante proteger os consumidores vulneráveis ​​e apoiar as empresas europeias. A Comissão está a ajudar os Estados-Membros a tomarem medidas imediatas para reduzir o impacto nas famílias e nas empresas neste inverno. Ao mesmo tempo, identificamos outras medidas de médio prazo para garantir que nosso sistema de energia seja mais resiliente e flexível para suportar qualquer volatilidade futura durante a transição. A situação atual é excepcional e o mercado interno da energia tem nos servido bem nos últimos 20 anos. Mas precisamos ter certeza de que isso continuará no futuro, cumprindo o Acordo Verde Europeu, impulsionando nossa independência energética e atingindo nossos objetivos climáticos. "

Uma caixa de ferramentas de medidas de curto e médio prazo

Anúncios

O pico de preço atual requer um resposta rápida e coordenada. O quadro jurídico existente permite à UE e aos seus Estados-Membros tomar medidas para fazer face aos impactos imediatos nos consumidores e nas empresas.

Deve ser dada prioridade a medidas direcionadas que pode mitigar rapidamente o impacto dos aumentos de preços para consumidores vulneráveis ​​e pequenas empresas. Essas medidas devem ser facilmente ajustáveis ​​na primavera, quando a situação deve se estabilizar. Nossa transição de longo prazo e investimentos em fontes de energia mais limpas não devem ser interrompidos.

Medidas imediatas para proteger consumidores e empresas:

Anúncios
  • Fornecer suporte de renda de emergência para consumidores com pouca energia, por exemplo, por meio de vouchers ou pagamentos parciais de contas, que podem ser suportados com receitas do EU ETS;
  • Autorizar adiamentos temporários de pagamentos de contas;
  • Implementar proteções para evitar desconexões da rede;
  • Fornecer reduções temporárias e direcionadas nas taxas de tributação para famílias vulneráveis;
  • Prestar auxílio a empresas ou indústrias, em conformidade com as regras da UE em matéria de auxílios estatais;
  • Aumentar o alcance internacional de energia para garantir a transparência, liquidez e flexibilidade dos mercados internacionais;
  • Investigar possíveis comportamentos anticoncorrenciais no mercado de energia e solicitar à Autoridade Europeia de Valores Mobiliários e Mercados (ESMA) que aprimore o monitoramento da evolução do mercado de carbono;
  • Facilitar um acesso mais amplo aos contratos de compra de energia renovável e apoiá-los por meio de medidas de acompanhamento.

A transição para energia limpa é o melhor seguro contra choques de preços no futuro e precisa ser acelerada. A UE continuará a desenvolver um sistema de energia eficiente com uma elevada quota de energias renováveis. Embora as energias renováveis ​​mais baratas desempenhem um papel cada vez mais importante no abastecimento da rede elétrica e na definição do preço, outras fontes de energia, incluindo o gás, ainda são necessárias em tempos de maior demanda. De acordo com a concepção do mercado atual, o gás ainda define o preço geral da eletricidade quando é implantado, uma vez que todos os produtores recebem o mesmo preço pelo mesmo produto quando ele entra na rede - eletricidade. Há um consenso geral de que o modelo de precificação marginal atual é o mais eficiente, mas uma análise mais aprofundada é necessária. A crise chamou também a atenção para a importância do armazenamento para o funcionamento do mercado do gás da UE. o Atualmente, a UE tem capacidade de armazenamento para mais de 20% do seu uso anual de gás, mas nem todos os Estados-Membros dispõem de instalações de armazenamento e a sua utilização e obrigações de manutenção variam.

Medidas de médio prazo para um sistema de energia descarbonizado e resiliente:

  • Aumentar os investimentos em renováveis, renovações e eficiência energética e acelerar os leilões de renováveis ​​e os processos de licenciamento;
  • Desenvolver capacidade de armazenamento de energia, para apoiar a participação em evolução das energias renováveis, incluindo baterias e hidrogênio;
  • Solicite aos reguladores europeus da energia (ACER) que estudem as vantagens e desvantagens da conceção do mercado da eletricidade existente e proponha recomendações à Comissão, se for caso disso;
  • Considerar a revisão do regulamento de segurança do aprovisionamento para garantir uma melhor utilização e funcionamento do armazenamento de gás na Europa;
  • Explorar os benefícios potenciais da aquisição conjunta voluntária pelos Estados-Membros de reservas de gás;
  • Estabelecer novos grupos regionais de risco de gás transfronteiriços para analisar riscos e aconselhar os Estados membros sobre a formulação de seus planos de ação preventiva e de emergência nacionais;
  • Impulsionar o papel dos consumidores no mercado de energia, capacitando-os a escolher e mudar de fornecedores, gerar sua própria eletricidade e ingressar em comunidades de energia.

As medidas estabelecidas na caixa de ferramentas ajudarão a dar uma resposta oportuna às atuais altas do preço da energia, que são consequência de uma situação global excepcional. Eles também vão contribuir para uma transição energética acessível, justa e sustentável para a Europa e a maior independência energética. Os investimentos em energia renovável e eficiência energética não apenas reduzirão a dependência de combustíveis fósseis importados, mas também fornecerão preços de energia no atacado mais acessíveis e mais resistentes às restrições de fornecimento global. A transição para energia limpa é o melhor seguro contra choques de preços como esse no futuro e precisa ser acelerada, também pelo bem do clima.

Contexto

A UE, como muitas outras regiões do mundo, está enfrentando atualmente uma forte alta dos preços da energia. Isso é impulsionado principalmente pelo aumento da demanda global por energia, e em particular por gás, à medida que a recuperação econômica após o auge da pandemia de COVID-19 ganha velocidade. O preço europeu do carbono também aumentou acentuadamente em 2021, mas a uma taxa menor do que o preço do gás. O efeito do aumento do preço do gás sobre o preço da eletricidade é nove vezes maior do que o impacto do aumento do preço do carbono.

A Comissão tem vindo a consultar amplamente a resposta adequada à situação actual e tem participado em debates sobre esta questão com membros do Parlamento Europeu e Ministros no Conselho da União Europeia, ao mesmo tempo que contactou a indústria e os fornecedores internacionais de energia. . Vários Estados-Membros já anunciaram medidas nacionais para atenuar os aumentos de preços, mas outros procuram a Comissão para obter orientações sobre as medidas que podem tomar. Alguns parceiros internacionais já indicaram planos para aumentar suas entregas de energia para a Europa.

A caixa de ferramentas apresentada hoje permite uma resposta coordenada para proteger aqueles que estão em maior risco. Foi cuidadosamente concebido para responder às necessidades de curto prazo de redução dos custos da energia para as famílias e empresas, sem prejudicar o mercado interno da energia da UE ou a transição verde a médio prazo.

Próximos Passos

Comissário Simson apresentará a comunicação e a caixa de ferramentas aos membros do Parlamento Europeu na quinta-feira, 14 de outubro, e aos ministros da energia, em 26 de outubro. Os líderes europeus devem então discutir os preços da energia no próximo Conselho Europeu, de 21 a 22 de outubro. A presente comunicação é o contributo da Comissão para o debate contínuo entre os decisores políticos da UE. A Comissão continuará os seus intercâmbios com as administrações nacionais, indústria, grupos de consumidores e parceiros internacionais sobre este importante tópico e está pronta para responder a quaisquer pedidos adicionais dos Estados-Membros.

Mais informação

Comunicação sobre preços de energia

Perguntas e respostas sobre a comunicação sobre preços de energia

Ficha informativa sobre o mercado de energia da UE e os preços da energia

Folha de dados na caixa de ferramentas

Página de preços de energia da UE

Leia mais
Anúncios
Anúncios
Anúncios

TENDÊNCIA