Entre em contato

Conselho Europeu

Acordo sobre os principais empregos da UE deve ser realizado apesar dos protestos do primeiro-ministro italiano

Compartilhar:

Publicado

on

Espera-se que a reunião do Conselho Europeu de 27 e 28 de junho apoie um acordo que dará a Ursula von der Leyen um segundo mandato como Presidente da Comissão. Os líderes pertencentes aos grupos políticos de centro-direita (PPE), centro-esquerda (Socialistas e Democratas) e liberais (Reformistas) afirmaram o seu poder de longa data para dividir os cargos mais importantes da UE.

António Costa, de Portugal, será o Presidente do Conselho e Kaja Kallas, da Estónia, será a Alta Representante para os Negócios Estrangeiros. Até agora, tão previsível, a única surpresa foi um desentendimento sobre a ideia do PPE de que Costa deveria servir apenas por dois anos e meio. Isso foi agora abandonado, embora possa ser retomado em 2027, se o Parlamento Europeu escolher um candidato dos Socialistas de Costa para suceder Roberta Metsola como Presidente do Parlamento Europeu.

É um golpe humilhante para a primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, que se vê excluída do acordo, apesar de liderar a terceira maior economia da UE e de ser um dos poucos chefes de governo a sair das eleições europeias com a sua posição fortalecida. Ela também parecia ter chegado a um entendimento com von der Leyen, que poderia muito bem precisar de votos do grupo ECR de Meloni para que a sua renomeação fosse aprovada pelo Parlamento Europeu. 

“Há quem argumente que os cidadãos não são suficientemente sábios para tomar certas decisões e que a oligarquia é a única forma aceitável de democracia, mas eu discordo”, disse Meloni ao parlamento italiano. Ela posicionava-se como a defensora da “democracia”, ou seja, dos resultados das eleições para o Parlamento Europeu, que aumentaram o número de eurodeputados no grupo ECR, ao qual pertence. Ela argumentou que é “surreal” ignorar “os sinais dos eleitores”.

Mas ela também faz parte da “oligarquia”, o Conselho Europeu, onde os seus protestos provavelmente se voltarão para a celebração de acordos, a fim de garantir um prémio de consolação para o ECR, e mais especialmente para a Itália. No seu discurso em Roma, ela chamou a UE de “um gigante burocrático invasivo”, sugerindo que um Comissário italiano deveria ser nomeado para travar uma guerra contra a burocracia.

Ela espera que os seus colegas chefes de governo não o considerem um bluff e ofereçam à Itália o cargo de Comissário para os clips de papel. Na realidade, Meloni espera, pelo menos, garantir a nomeação de um vice-presidente italiano da Comissão, com um papel económico poderoso. Seria também um prémio para o ECR, do qual ela é Presidente e que também poderia ajudar a causa de von der Leyen enquanto ela tenta garantir os votos de que necessitará quando a sua recondução for apresentada ao Parlamento Europeu, provavelmente na sua sessão de Julho. em Estrasburgo.

Anúncios

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA