Entre em contato

Bangladesh

Fazendo justiça à história, um apelo poderoso em Bruxelas pelo reconhecimento do genocídio de 1971 em Bangladesh

Compartilhar:

Publicado

on

Em Bangladesh, 25 de março é marcado como o Dia do Genocídio, o aniversário do início da brutal campanha de repressão do exército paquistanês em 1971, que ceifou cerca de três milhões de vidas. Existe agora uma poderosa campanha para o reconhecimento internacional de que os assassinatos em massa, estupros e tortura foram um ato de genocídio contra o povo bengali. Deu um passo importante em Bruxelas no aniversário deste ano, com um evento especial organizado pela Embaixada de Bangladesh, escreve o editor de política Nick Powell.

O genocídio de Bangladesh foi um dos piores eventos desse tipo na história da humanidade. Os assassinatos, estupros e outras atrocidades tornaram-se amplamente conhecidos na época, com amplo apoio popular em todo o mundo em 1971 para a luta pela liberdade do povo do então Paquistão Oriental. No entanto, assim como os governos da época demoraram a reconhecer a legitimidade democrática de um Bangladesh livre, a comunidade internacional ainda não reconheceu o genocídio.

No Clube de Imprensa de Bruxelas, diplomatas, jornalistas, acadêmicos, políticos e membros da comunidade de Bangladesh na Bélgica se reuniram para ouvir um poderoso caso de reconhecimento do genocídio e de um pedido de desculpas do Paquistão pelas brutalidades cometidas por seus militares e colaboradores locais. Eles ouviram testemunhos e fortes apelos e justificativas de estudiosos e sobreviventes, que acreditam que o caso para reconhecer o genocídio deve ser feito, mesmo que seja óbvio.

O professor Gregory H Stanton, presidente fundador da Genocide Watch, alertou que o reconhecimento é tão essencial para a cura “quanto fechar uma ferida aberta”. Ele observou que seu próprio governo, nos Estados Unidos, ainda não reconheceu o genocídio de Bangladesh. A administração norte-americana de Nixon-Kissinger também ficou em silêncio em 1971, sem querer ofender seu aliado da Guerra Fria no Paquistão.

Stanton argumentou que, além de reconhecer o genocídio em si, os EUA deveriam reconhecer a postura de seu Cônsul Geral em Dhaka, Archer Blood, que destruiu sua carreira diplomática ao encaminhar ao Departamento de Estado uma nota assinada por vários funcionários americanos que iriam não fecharam os olhos para o que estava acontecendo.

Embaixador de Bangladesh Mahbub Hassan Saleh

“Nosso governo evidenciou o que muitos considerarão falência moral”, escreveram. Mesmo em 2016, como disse o embaixador de Bangladesh, Mahbub Hassan Saleh, à audiência em Bruxelas, o então conselheiro de segurança nacional do presidente Nixon, Henry Kissinger, 45 anos depois de sua cumplicidade com o genocídio de 1971 em Bangladesh, apenas admitiria que o Paquistão “resistiu com violência extrema” e cometeu “graves violações dos direitos humanos”.

Como o Embaixador apontou, os militares do Paquistão estavam travando uma guerra não apenas contra o povo bengali, mas contra o homem que obteve uma vitória eleitoral tão esmagadora no Paquistão Oriental que era o primeiro-ministro legítimo de todo o estado paquistanês, Bangabandhu Sheikh Mujibur Rahman. Isso lhe deu a base legal para declarar a independência, embora tenha esperado até o último momento, quando os militares do Paquistão lançaram sua guerra genocida. 

Anúncios

Reportagens corajosas, notadamente de Anthony Mascarenhas, trouxeram a verdade ao mundo. A conta dele no Sunday Times foi simplesmente intitulado 'Genocídio'. Sua citação de um comandante paquistanês foi lida no Clube de Imprensa de Bruxelas pelo professor Tazeen Mahnaz Murshid. “Estamos determinados a livrar o Paquistão Oriental da ameaça de cessação, de uma vez por todas, mesmo que isso signifique matar dois milhões de pessoas e governá-lo como uma colônia por 30 anos”.

Professor Tazeen Mahnaz Murshid

Pois a Prof. Murshid, ela própria uma sobrevivente do genocídio, trouxe à tona a natureza desse crime contra a humanidade. Foi uma tentativa de impor uma solução definitiva, uma cultura desumanizadora da impunidade apoiada na falência moral da comunidade internacional. A exceção no cenário mundial foi a Índia, que abrigou milhões de refugiados e sofreu incursões paquistanesas “preventivas” em seus aeródromos. Ao ser atacada, a Índia finalmente enviou suas tropas ao Paquistão Oriental, garantindo a vitória da luta de libertação e o nascimento de Bangladesh. 

Outra prova da intenção genocida foi o direcionamento de líderes políticos, intelectuais e culturais. Em uma declaração curta e comovente, Shawan Mahmud, filha do letrista, compositor e ativista da linguagem mártir Alaf Mahmud, reviveu suas memórias da morte de seu pai. 

Outra colaboradora foi Irene Victoria Massimino, do Lemkin Institute for Genocide Prevention. Para ela, uma parte importante da prevenção do genocídio está no reconhecimento do genocídio, no reconhecimento das vítimas e de seus sofrimentos, na responsabilização e na justiça. E em seu discurso, Paulo Casaca, ex-membro do Parlamento Europeu e fundador do Fórum Democrático do Sul da Ásia, lamentou que o Paquistão ainda não tenha se desculpado pelos crimes sinistros cometidos por sua junta militar em 1971.

O Embaixador Saleh, em seu discurso final, observou que o reconhecimento do genocídio de Bangladesh “faria justiça à história” e ofereceria algum consolo aos sobreviventes e às famílias das vítimas. “Como poderia haver um fechamento sem o reconhecimento do mundo e um pedido de desculpas dos perpetradores, ou seja, os militares do Paquistão?”, questionou.

Ele acrescentou que seu país “não tem reservas ou ódio” sobre o povo de qualquer país, incluindo o Paquistão, mas é justo dizer que Bangladesh merece um pedido de desculpas. Ele expressou a esperança de que o reconhecimento do genocídio em Bangladesh alcance e compreenda um público internacional mais amplo. Com o tempo, ele esperava, uma resolução apoiando o reconhecimento do genocídio seria aprovada pelo Parlamento Europeu.

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA