Entre em contato

Itália

Papa estende lei de abuso sexual para incluir líderes leigos

Compartilhar:

Publicado

on

Papa Francisco (foto) atualizou as regras sobre abuso sexual na Igreja Católica Romana. Ele expandiu seu alcance para incluir líderes católicos leigos e esclareceu que as vítimas podem ser menores ou adultos.

Em 2019, o papa emitiu uma ordem histórica exigindo que todos os padres e membros de ordens religiosas denunciassem suspeitas de abuso. Os bispos também são diretamente responsáveis ​​por qualquer abuso ou encobrimento.

Essas disposições foram originalmente introduzidas temporariamente, mas o Vaticano anunciou no sábado que seriam definitivas a partir de 30 de abril e incluiriam elementos adicionais para fortalecer a luta da Igreja contra o abuso.

A reputação do Vaticano foi prejudicada em muitos países por escândalos de abuso. Isso tornou um desafio significativo para o Papa Francisco, que tomou uma série de medidas nos últimos 10 anos para responsabilizar a hierarquia da Igreja.

Os críticos afirmam que os resultados foram mistos e acusam Francisco de não estar disposto a exonerar papas abusivos.

Após inúmeras alegações feitas contra padres e líderes leigos nos últimos anos, as novas normas agora incluem líderes de organizações sancionadas pelo Vaticano que são dirigidas por leigos.

As regras originais tratavam de atos sexuais contra menores e pessoas vulneráveis. No entanto, as novas regras fornecem uma definição mais abrangente de vítimas. Refere-se a crimes cometidos contra menor ou pessoa que tenha uso imperfeito ou uso habitual da razão.

De acordo com o Vaticano, os membros da Igreja são obrigados a denunciar a violência contra mulheres religiosas por parte do clero e o assédio de seminaristas e noviços adultos.

Anúncios

BishopAccountability.org, uma organização sem fins lucrativos que procura documentar os abusos dentro da Igreja Católica Romana, disse que a revisão foi "uma grande decepção" e ficou aquém da "extensa reformulação" que a política contra os abusos teria exigido.

A política "permanece autopoliciada empacotada como responsabilidade", disse Anne Barrett Doyle, co-diretora do BishopAccountability.org, acrescentando que os bispos continuam encarregados de investigar as alegações contra outros bispos.

Essas disposições atualizadas foram reveladas um mês depois que os jesuítas da ordem religiosa católica romana declararam que alegações de abuso sexual e psicológico contra um de seus membros mais proeminentes eram altamente credíveis.

Um total de 25 pessoas, a maioria ex-freiras, acusaram o padre Marko IIvan Rupnik (69), de várias formas de abuso. Ele era um diretor espiritual em sua terra natal, a Eslovênia, há cerca de 30 anos, ou se mudou para Roma para seguir a carreira de artista.

Rupnik não se pronunciou publicamente sobre as acusações que abalam a ordem global à qual o papa pertence.

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA