Entre em contato

Cazaquistão

O modelo de não proliferação do Cazaquistão oferece mais segurança

Compartilhar:

Publicado

on

À medida que a guerra na Ucrânia avança, vários especialistas levantaram o medo de que a Rússia esteja se tornando mais propensa a lançar uma arma nuclear – escreve Stephen J. Blank. 

Dois observadores sérios, ex-Adido de Defesa em Moscou, BG Kevin Ryan (EUA Ret), e o estudioso israelense Dmitry (Dima) Adamsky, argumentaram que a opção nuclear, apesar do medo cada vez menor de seu uso pelo Ocidente, é uma opção russa cada vez mais provável. 

Suponha que o presidente russo, Vladimir Putin, cumpra com suas ameaças nucleares. Nesse caso, ele terá mostrado que anseios imperiais insatisfeitos podem desencadear o Armagedom e que a guerra convencional não pode ser facilmente impedida de escalar, quebrando o tabu nuclear.

Essas “manifestações” destacam, inter alia, a insegurança perpétua inerente ao armamento nuclear. Sua própria existência pode obrigar seu uso, o que leva os Estados a acreditar que podem atacar impunemente Estados não nucleares, já que ninguém quer uma guerra atômica. Quando ilusões agradáveis ​​tropeçam nas rochas da realidade, ditadores como Putin, que não podem tolerar a derrota ou o fracasso, podem, em última análise, confiar no uso nuclear, não apenas em ameaças, para recuperar suas posições. Mesmo que Putin use armas nucleares na Ucrânia, é difícil ver como isso lhe garantirá a vitória em vez de envolver ele e a Rússia em crises ainda maiores.

Em outro lugar, este autor argumentou que o uso nuclear na Ucrânia não garantirá a vitória de Putin. No entanto, o líder russo continua comprometido com a ameaça de seu uso desafiando o que muitos teóricos da dissuasão acreditam ser avaliações racionais da situação. Putin pode não ser um ator racional e a racionalidade humana não é universal. Além disso, não há dúvida de que, se Putin quebrar o tabu nuclear, isso levará outros líderes autoritários na China, Coréia do Norte, Paquistão e, potencialmente, no Irã, a considerar que seguir o exemplo está aumentando.

Também podemos ter certeza de que o uso nuclear na Ucrânia levará outros proliferadores em potencial, especialmente no Oriente Médio, a redobrar sua busca por essas armas, não desejando compartilhar o destino da Ucrânia. A posse dessas armas é inerentemente perigosa e uma causa significativa de insegurança global, ao mesmo tempo em que testemunha a escassez de estadistas em relação aos perigos que representam para a humanidade. 

 Nem todos os líderes mundiais sustentaram a visão de soma zero da segurança nuclear. Aqui podemos tirar uma página da visão de Nursultan Nazarbayev, o pai fundador e primeiro presidente do Cazaquistão. Com base em sua própria rejeição de armas nucleares e repulsa popular em testes nucleares soviéticos que deixaram centenas de milhares doentes e criaram desastres ambientais em grandes partes do Cazaquistão, e para evitar rivalidades nucleares internacionais e regionais envolvendo o Cazaquistão, ele renunciou e desmantelou o Cazaquistão Herança nuclear da era soviética. Isso culminou na criação de uma zona livre de armas nucleares na Ásia Central. As cinco potências nucleares permanentes da ONU (P-5) garantiram o acordo.

Anúncios

Nazarbayev chegou a estabelecer o Cazaquistão como um centro reconhecido para processos de mediação de conflitos, entendendo que as grandes rivalidades de poder na Ásia Central da Rússia, China, Índia e Irã poderiam levar à perda local da agência. Essas ações estão entre as razões pelas quais a Ásia Central, com todos os seus problemas, desafiou as previsões de grandes conflitos entre ou dentro de seus estados membros, e as grandes rivalidades de poder que a cercam também não levaram a hostilidades lá. Infelizmente, a percepção de Nazarbayev de que as armas nucleares aumentam a insegurança e diminuem a confiança mútua corre hoje o risco de se perder na ordem internacional cada vez mais militarizada e polarizada de nosso tempo. 

Apesar do argumento feito pelos proliferadores nucleares de que as armas nucleares são essenciais porque os destinos do Iraque, da Líbia e agora da Ucrânia mostram o que acontece com os Estados menores que se interpõem no caminho da grande potência, a experiência da Rússia indica que as armas nucleares não trazem nenhum mais status, ou poder militar utilizável ou bem-sucedido. Apesar do que um cínico superficial possa argumentar, o legado de Nazarbayev resistiu a exigentes testes de tempo e realidade. O brandir frequente e habitual da Rússia de seu arsenal nuclear não conseguiu aumentar a segurança ou o status de Moscou - muito pelo contrário, dada a crescente erosão do soft power do Kremlin e a falta de qualquer outra influência.

Enquanto isso, apesar dos desafios econômicos, políticos e ecológicos, a Ásia Central permanece em paz – e um ímã para investimentos estrangeiros. Há uma lição aqui para os políticos, líderes políticos e aqueles que aspiram a esse status refletirem. Defende incontroversamente a não proliferação como uma base sólida para a segurança e tranquilidade regional.

Não podemos desinventar as armas nucleares. Mas podemos e devemos fazer mais e pensar mais seriamente em prevenir sua propagação e a tentação de usá-los ou desenvolvê-los. Como mostra a Ucrânia, o suposto “fogo” entre a guerra convencional e a escalada para o nível nuclear não é mais tão direto quanto se supunha. Se a Ucrânia for atacada com armas nucleares, a Rússia arrisca o apocalipse e destrói toda a não proliferação futura. Exigimos líderes políticos dotados do equilíbrio certo entre realismo e idealismo em relação aos perigos do uso da força. Aqui, as lições do Cazaquistão e de seu primeiro presidente, Nazarbayev, permanecem não apenas oportunas, mas urgentes.

O Dr. Stephen J. Blank é membro sênior do Programa Eurásia da FPRI. Ele publicou ou editou 15 livros e mais de 900 artigos e monografias sobre políticas militares e externas soviéticas/russas, americanas, asiáticas e europeias.

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA