Entre em contato

France

Comissão Europeia nomeia dois novos Chefes de Representação em Paris e Luxemburgo

Compartilhar:

Publicados

on

Usamos sua inscrição para fornecer conteúdo da maneira que você consentiu e para melhorar nosso entendimento sobre você. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

A Comissão nomeou dois novos Chefes de Representação em Paris e no Luxemburgo. Valérie Drezet-Humez começará em sua nova função em Paris em 01 de setembro de 2021. Anne Calteux assumirá suas funções como chefe da representação em Luxemburgo, em data a definir. Eles atuarão como representantes oficiais da Comissão nos Estados membros, sob a autoridade política da presidente Ursula von der Leyen.

Drezet-Humez, de nacionalidade francesa, com 25 anos de experiência na Comissão, irá basear-se na sua sólida experiência política, na sua comunicação estratégica e competências de gestão e perícia jurídica em questões da UE. Desde 2010, ela trabalha na Secretaria-Geral, como chefe de unidade responsável por briefings para o presidente e vice-presidentes, abordando todas as prioridades e desenvolvimentos políticos. Antes disso, ela chefiou a equipe responsável pelos procedimentos escritos, de delegação e delegação de poderes no Secretariado-Geral, onde adquiriu um conhecimento profundo do funcionamento da Comissão, apoiando a adoção crítica para permitir a tomada de decisões da Comissão.

Ela começou no Secretariado-Geral como assistente de política do Secretário-Geral adjunto e, em seguida, do Secretário-Geral, depois de deixar a Direção-Geral de Tradução, onde era assistente de política do diretor-geral, cargos em que foi exposta à política e dimensão de entrega de arquivos. Ingressou na Comissão Europeia em 1995, na Direcção-Geral do Ambiente, onde trabalhou no domínio da indústria e do ambiente, e na coordenação de políticas, domínio que é fundamental para a actual agenda política. Drezet-Humez é advogada formada pela Universidade de Lyon III, onde se especializou em Direito da UE.

Anúncios

Anne Calteux, de nacionalidade luxemburguesa, traz para o seu novo cargo uma longa experiência na diplomacia luxemburguesa e europeia, o que lhe permitirá gerir de forma eficaz a comunicação política fundamental e a coordenação estratégica. Desde 2016, a Sra. Calteux ocupou vários cargos de liderança, onde exerceu um alto nível de responsabilidade e gestão de crises, principalmente o último como responsável pela coordenação da Célula de Crise COVID-19 no Ministério da Saúde em Luxemburgo. Como chefe de assuntos internacionais e da UE e conselheira sênior do ministro do Ministério da Saúde em Luxemburgo desde 2016, ela acumulou amplo conhecimento sobre assuntos e políticas da UE.

Entre 2016 e 2018, Calteux chefiou a Unidade de Comunicações do Ministério, o que prova a sua sólida capacidade de comunicação e análise e capacidade de orientação estratégica geral e gestão da Representação da Comissão no Luxemburgo. Entre 2004 e 2013, trabalhou na Representação Permanente do Luxemburgo junto da União Europeia, como conselheira responsável pela saúde pública, farmacêutica e segurança social. Calteux é Mestre em Direito pelo LLM, King's College de Londres, onde se especializou em Direito Europeu Comparado.

Contexto

A Comissão mantém representações em todas as capitais dos Estados-Membros da UE e escritórios regionais em Barcelona, ​​Bona, Marselha, Milão, Munique e Breslávia. As Representações são os olhos, os ouvidos e a voz da Comissão no terreno nos Estados-Membros da UE. Interagem com as autoridades nacionais, as partes interessadas e os cidadãos e informam os meios de comunicação e o público sobre as políticas da UE. Os Chefes das Representações são nomeados pelo Presidente da Comissão Europeia e são os seus representantes políticos no Estado-Membro para onde estão destacados.

Anúncios

Para maiores informações

Representação da Comissão Europeia em Paris

Representação da Comissão Europeia no Luxemburgo

coronavírus

Comissão autoriza regime de auxílio francês de 3 bilhões de euros para apoiar, por meio de empréstimos e investimentos de capital, empresas afetadas pela pandemia do coronavírus

Publicados

on

A Comissão Europeia aprovou, ao abrigo das regras de auxílios estatais da UE, os planos da França de criar um fundo de 3 mil milhões de euros que investirá através de instrumentos de dívida e instrumentos de capital e híbridos em empresas afectadas pela pandemia. A medida foi autorizada ao abrigo do Quadro Temporário de Auxílios Estatais. O esquema será implementado por meio de um fundo, intitulado 'Fundo de Transição para Empresas Afetadas pela Pandemia COVID-19', com um orçamento de € 3 bilhões.

Ao abrigo deste esquema, o apoio assumirá a forma de (i) empréstimos subordinados ou participativos; e (ii) medidas de recapitalização, em particular instrumentos híbridos de capital e ações preferenciais sem direito a voto. A medida está aberta a empresas estabelecidas na França e presentes em todos os setores (exceto o financeiro), que eram viáveis ​​antes da pandemia do coronavírus e que demonstraram a viabilidade de longo prazo de seu modelo econômico. Prevê-se que entre 50 e 100 empresas beneficiem deste regime. A Comissão considerou que as medidas cumpriam as condições estabelecidas no quadro temporário.

A Comissão concluiu que a medida era necessária, adequada e proporcionada para remediar uma perturbação grave da economia francesa, nos termos do artigo 107.º, n.º 3, alínea b), do TFUE e das condições estabelecidas na supervisão temporária. Nesta base, a Comissão autorizou estes regimes ao abrigo das regras da UE em matéria de auxílios estatais.

Anúncios

Vice-Presidente Executivo Margrethe Vestager (retratado), a política de concorrência afirmou: “Este esquema de recapitalização de € 3 bilhões permitirá à França apoiar as empresas afetadas pela pandemia do coronavírus, facilitando o seu acesso ao financiamento nestes tempos difíceis. Continuamos a trabalhar em estreita colaboração com os estados membros para encontrar soluções práticas para mitigar o impacto econômico da pandemia de coronavírus, respeitando as regulamentações da UE ”.

Anúncios
Leia mais

Inundação

Uma pessoa ainda está desaparecida após enchentes no sul da França

Publicados

on

By

Vento, granizo e chuva sopram em Rodilhan, Gard, França, em 14 de setembro de 2021, nesta captura de tela obtida de um vídeo de mídia social. @ YLONA91 / via REUTERS

Uma pessoa ainda estava desaparecida na terça-feira (14 de setembro) depois que uma chuva torrencial atingiu a região de Gard, no sul da França, disse o ministro do Interior, Gerald Darmanin, que visitou a área, escrever para Dominique Vidalon e Benoit Van Overstraeten, Reuters.

Outras pessoas que foram dadas como desaparecidas foram encontradas, disseram as autoridades locais.

“Cerca de 60 aldeias foram parcialmente atingidas”, disse Darmanin à TV BFM.

Anúncios

"A situação do tempo melhorou desde o meio da tarde, mas vai piorar novamente durante a noite", disse o prefeito da região em um comunicado, acrescentando que as escolas da região seriam fechadas na quarta-feira (15 de setembro).

Anúncios
Leia mais

France

Comissão aprova esquema francês de 3 bilhões de euros para fornecer dívida e apoio de capital a empresas afetadas pelo surto de coronavírus

Publicados

on

A Comissão Europeia aprovou, ao abrigo das regras de ajuda estatal da UE, os planos franceses de criar um fundo de 3 mil milhões de euros que investirá através de instrumentos de dívida, híbridos e de capital em empresas afectadas pelo surto do coronavírus. O regime foi aprovado ao abrigo do auxílio estatal Estrutura Temporária.

Vice-presidente executiva Margrethe Vestager (retratado), responsável pela política de concorrência, afirmou: “Este esquema de recapitalização de 3 bilhões de euros permitirá à França apoiar as empresas afetadas pelo surto de coronavírus, facilitando seu acesso a financiamento nestes tempos difíceis. Continuamos trabalhando em estreita cooperação com os estados membros para encontrar soluções viáveis ​​para mitigar o impacto econômico do surto de coronavírus, de acordo com as regras da UE. ”

A medida de apoio francesa

Anúncios

A França notificou à Comissão, ao abrigo do Quadro Temporário, um esquema de 3 mil milhões de euros para fornecer dívida e apoio de capital a empresas afectadas pelo surto de coronavírus.

O esquema será implementado por meio de um fundo, denominado 'Fundo de Transição para empresas afetadas pelo surto de COVID-19', com um orçamento de 3 bilhões de euros. Ao abrigo do regime, o auxílio assumirá a forma de (i) empréstimos subordinados e participativos; e (ii) medidas de recapitalização, em particular instrumentos híbridos de capital e ações preferenciais sem direito a voto.

A medida está aberta a empresas estabelecidas na França e atuantes em todos os setores (exceto financeiro), que eram viáveis ​​antes do surto do coronavírus e demonstraram a sustentabilidade de longo prazo de seu modelo de negócio. Espera-se que entre 50 e 100 empresas se beneficiem deste esquema.

Anúncios

A Comissão concluiu que as medidas estão em conformidade com as condições estabelecidas no Quadro Temporário. Em particular:

  • Em relação a auxílio sob a forma de medidas de recapitalização (i) o apoio é disponibilizado às empresas apenas se for necessário para a manutenção das operações, não existindo outra solução adequada e sendo do interesse comum intervir; (ii) o apoio é limitado ao montante necessário para garantir a viabilidade dos beneficiários e para restaurar a sua posição de capital antes do surto de coronavírus; (iii) o regime fornece uma remuneração adequada para o estado e incentiva os beneficiários e / ou seus proprietários a reembolsar o apoio o mais cedo possível (incluindo a proibição de dividendos e a proibição de pagamentos de bônus à administração); iv) existem salvaguardas para garantir que os beneficiários não beneficiam indevidamente do auxílio à recapitalização concedido pelo Estado em detrimento da concorrência leal no mercado único, como uma proibição de aquisição para evitar uma expansão comercial agressiva; e (v) o auxílio a uma empresa acima do limiar de 250 milhões de euros deve ser notificado separadamente para avaliação individual.
  • Em relação a ajuda na forma de empréstimos subordinados, e dado que, ao abrigo do regime, apenas serão concedidos empréstimos subordinados com um volume superior aos limites relevantes estabelecidos no Quadro Temporário, o auxílio terá de cumprir integralmente as condições acima estabelecidas para as medidas de recapitalização, em conformidade com o Quadro Temporário.

O apoio será concedido o mais tardar em 31 de dezembro de 2021. Por último, apenas as empresas que não foram consideradas em dificuldades financeiras já em 31 de dezembro de 2019 são elegíveis para auxílios ao abrigo deste regime.

A Comissão concluiu que a medida é necessária, adequada e proporcionada para remediar uma perturbação grave da economia francesa, em conformidade com o artigo 107.º, n.º 3, alínea b), do TFUE e as condições estabelecidas no Quadro Temporário.

Nesta base, a Comissão aprovou o regime ao abrigo das regras da UE em matéria de auxílios estatais.

Contexto

A Comissão adoptou um Estrutura Temporária permitir que os Estados-Membros utilizem toda a flexibilidade prevista nas regras dos auxílios estatais para apoiar a economia no contexto do surto do coronavírus. A Estrutura Temporária, conforme alterada em Abril 3, Maio 8, 29 junho, 13 outubro 2020 e 28 de Janeiro de 2021, prevê os seguintes tipos de auxílio, que podem ser concedidos pelos Estados-Membros:

(I) Subsídios diretos, injeções de capital, vantagens tributárias seletivas e adiantamentos até € 225,000 para uma empresa ativa no setor agrícola primário, € 270,000 para uma empresa ativa no setor de pesca e aquicultura e € 1.8 milhões para uma empresa ativa em todos os outros setores para atender às suas necessidades urgentes de liquidez. Os Estados-Membros podem também conceder, até ao valor nominal de 1.8 milhões de euros por empresa, empréstimos a juros zero ou garantias sobre empréstimos que cobrem 100% do risco, exceto no setor da agricultura primária e no setor da pesca e aquicultura, onde os limites de € 225,000 e € 270,000 por empresa, respectivamente, se aplicam.

(Ii) Garantias estatais para empréstimos contraídos por empresas para garantir que os bancos continuem concedendo empréstimos aos clientes que deles precisam. Essas garantias estatais podem cobrir até 90% do risco de empréstimos para ajudar as empresas a cobrir capital imediato de trabalho e necessidades de investimento.

(iii) Empréstimos públicos subsidiados a empresas (dívida sênior e subordinada) com taxas de juros favoráveis ​​para as empresas. Esses empréstimos podem ajudar as empresas a cobrir necessidades imediatas de capital de giro e investimento.

(iv) Salvaguardas para os bancos que canalizam os auxílios estatais para a economia real que esse auxílio é considerado um auxílio direto aos clientes dos bancos, e não aos próprios bancos, e fornece orientações sobre como assegurar o mínimo de distorção da concorrência entre bancos.

(V) Seguro público de crédito à exportação de curto prazo para todos os países, sem necessidade de o Estado-Membro em questão demonstrar que o respetivo país é temporariamente “não comercializável”.

(VI) Suporte para pesquisa e desenvolvimento (P&D) relacionados ao coronavírus para enfrentar a atual crise de saúde na forma de subsídios diretos, adiantamentos reembolsáveis ​​ou vantagens fiscais. Pode ser concedido um bónus a projectos de cooperação transfronteiriça entre Estados-Membros.

(vii) Apoio à construção e aprimoramento de instalações de teste desenvolver e testar produtos (incluindo vacinas, ventiladores e roupas de proteção) úteis para combater o surto de coronavírus, até a primeira implantação industrial. Isso pode assumir a forma de subvenções diretas, vantagens fiscais, adiantamentos reembolsáveis ​​e garantias sem perdas. As empresas podem beneficiar de um prémio quando o seu investimento é apoiado por mais do que um Estado-Membro e quando o investimento é concluído no prazo de dois meses após a concessão do auxílio.

(viii) Apoio à produção de produtos relevantes para combater o surto de coronavírus sob a forma de subvenções diretas, vantagens fiscais, adiantamentos reembolsáveis ​​e garantias sem perdas. As empresas podem beneficiar de um prémio quando o seu investimento é apoiado por mais do que um Estado-Membro e quando o investimento é concluído no prazo de dois meses após a concessão do auxílio.

(ix) Apoio direcionado na forma de diferimento de pagamentos de impostos e / ou suspensões de contribuições para a previdência social para os setores, regiões ou tipos de empresas mais atingidos pelo surto.

(X) Suporte direcionado na forma de subsídios salariais para funcionários para as empresas de setores ou regiões que mais sofreram com o surto de coronavírus e, caso contrário, teriam que demitir pessoal.

(XI) Ajuda de recapitalização direcionada para empresas não financeiras, se nenhuma outra solução adequada estiver disponível. Existem salvaguardas para evitar distorções indevidas da concorrência no mercado único: condições sobre a necessidade, adequação e dimensão da intervenção; condições de entrada do Estado no capital das sociedades e remuneração; as condições de saída do Estado do capital das sociedades em causa; condições relativas à governança, incluindo proibição de dividendos e limites de remuneração para a alta administração; proibição de subsídios cruzados e proibição de aquisições e medidas adicionais para limitar as distorções da concorrência; transparência e requisitos de relatórios.

(xii) Suporte para custos fixos não cobertos para empresas que enfrentam um declínio na receita durante o período elegível de pelo menos 30% em comparação com o mesmo período de 2019 no contexto do surto de coronavírus. O apoio contribuirá para uma parte dos custos fixos dos beneficiários que não são cobertos pelas suas receitas, até ao montante máximo de 10 milhões de euros por empresa.

A Comissão permitirá também aos Estados-Membros converter até 31 de dezembro de 2022 instrumentos reembolsáveis ​​(por exemplo, garantias, empréstimos, adiantamentos reembolsáveis) concedidos ao abrigo do Quadro Temporário em outras formas de ajuda, como subvenções diretas, desde que as condições do Quadro Temporário sejam cumpridas.

O Quadro Temporário permite que os Estados-Membros combinem todas as medidas de apoio entre si, exceto para empréstimos e garantias para o mesmo empréstimo e que excedam os limiares previstos no Quadro Temporário. Também permite que os Estados-Membros combinem todas as medidas de apoio concedidas no âmbito do Quadro Temporário com as possibilidades existentes de conceder de minimis a uma empresa de até € 25,000 em três exercícios fiscais para empresas ativas no setor agrícola primário, € 30,000 em três anos fiscais para empresas ativas no setor da pesca e da aquicultura e € 200,000 em três exercícios fiscais para empresas ativas em todos os outros setores. Ao mesmo tempo, os Estados-Membros têm de se comprometer a evitar a acumulação indevida de medidas de apoio às mesmas empresas, a fim de limitar o apoio para satisfazer as suas necessidades reais.

Além disso, o Quadro Temporário complementa as muitas outras possibilidades de que os Estados-Membros já dispõem para atenuar o impacto socioeconómico do surto de coronavírus, em conformidade com as regras da UE em matéria de auxílios estatais. Em 13 de março de 2020, a Comissão adotou um Comunicação sobre uma resposta econômica coordenada ao surto de COVID-19 estabelecendo essas possibilidades. Por exemplo, os Estados-Membros podem fazer alterações de aplicação geral a favor das empresas (por exemplo, diferindo impostos ou subsidiando o trabalho temporário em todos os setores), que não se enquadram nas regras dos auxílios estatais. Eles também podem conceder indenizações às empresas por danos sofridos devido e diretamente causados ​​pelo surto de coronavírus.

O Quadro Temporário estará em vigor até ao final de dezembro de 2021. A fim de garantir a segurança jurídica, a Comissão irá avaliar antes desta data se este deve ser prorrogado.

A versão não confidencial da decisão estará disponível sob o número de processo SA.63656 na Registo dos auxílios estatais na Comissão competição site, uma vez que qualquer problema de confidencialidade tenha sido resolvido. Novas publicações de decisões sobre auxílios estatais na Internet e no Jornal Oficial estão enumeradas no Notícias eletrônicas semanais da competição.

Podem ser encontradas mais informações sobre o Quadro Temporário e outras medidas tomadas pela Comissão para fazer face ao impacto económico da pandemia do coronavírus aqui.

Leia mais
Anúncios
Anúncios
Anúncios

TENDÊNCIA