Entre em contato

Portugal

Dezenas de milhares de professores marcham em Lisboa para exigir melhores salários

Compartilhar:

Publicado

on

Dezenas de milhares de professores de escolas públicas e outros funcionários marcharam em Lisboa no sábado (28 de janeiro) para exigir salários mais altos e melhores condições de trabalho, pressionando ainda mais o governo português, que enfrenta uma crise de custo de vida.

Gritando slogans como "para os bancos existem milhões, para nós existem apenas centavos", cerca de 80,000 manifestantes lotaram a capital portuguesa, disse a polícia.

Um ano após o primeiro-ministro socialista, Antonio Costa, ter obtido a maioria no parlamento, ele enfrenta uma queda no popularidade e protestos de rua não apenas por professores mas por outros profissionais como médicos.

O Sindicato de Todos os Profissionais da Educação (STOP) exige que o governo aumente os salários dos professores e trabalhadores escolares em pelo menos € 120 (US$ 130) por mês e acelere a progressão na carreira.

O governo não fez uma contraproposta especificamente para os professores, mas disse que aumentará em 2,600 euros os salários mensais de todos os funcionários públicos que ganham até cerca de 52 euros.

Os professores reclamam que, devido ao congelamento de suas carreiras no passado, eles são os servidores públicos mais mal pagos, o que significa que sua situação financeira piorou após um recente aumento nas inflação para uma alta de 30 anos.

Os professores na escala salarial mais baixa recebem cerca de € 1,100 por mês e mesmo aqueles na faixa superior normalmente ganham menos de € 2,000 mensais.

Anúncios

"Durante anos, eles (os políticos) nos mantiveram calados. Precisamos de melhores condições salariais, é inadmissível que não tenhamos progressão na carreira", disse Isabel Pessoa, 47, professora de ciências e biologia.

Professores e outros funcionários da educação em todo o país estão em greve desde o início de dezembro, fechando muitas escolas e impedindo os alunos de assistir às aulas. As greves têm sido organizadas zona a zona, com dias sucessivos de acção em cada um dos 18 distritos de Portugal.

O governo criticou o STOP pela forma como organizou as greves porque, segundo ele, não tem um horário pré-estabelecido e os professores e funcionários apenas se recusam a trabalhar certas horas em um dia específico, mas ainda podem fechar as escolas.

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA