Entre em contato

Espanha

Espanha pede a 'turistas de incêndio' para ficarem longe de incêndio na floresta

Compartilhar:

Publicado

on

As autoridades pediram aos "turistas de incêndio" que evitem as chamas no leste da Espanha no domingo. As autoridades disseram que, ao observar, eles estavam se colocando em perigo e interferindo nos esforços para reprimi-los.

Os serviços de emergência informaram que mais de 500 bombeiros combateram o incêndio com o apoio de 20 helicópteros e aviões quatro dias depois quebrou perto de Villanueva de Viver, região de Valência.

Gabriela Bravo, chefe regional de assuntos internos em Valência, disse que a polícia viu 14 ciclistas perto do local.

Ela disse: "Pedimos novamente e, mais importante, aos turistas que não se envolvam em turismo de incêndio ou se aproximem da área do perímetro".

Autoridades disseram que o primeiro grande incêndio na Espanha neste ano destruiu mais de 4,900 hectares (9.900 acres) de floresta e que 1,700 moradores foram forçados a fugir de suas casas em Valência e Aragão.

Os moradores temem que o incêndio possa ter um impacto severo na economia local, que dependia fortemente do turismo.

Jorge Grausell (72) disse que "a gente aqui vive do ciclismo, das caminhadas e de alguns bares".

"Você pode ver e é um desastre para quem ama a natureza."

Anúncios

Há temores de que os incêndios florestais devastadores do ano passado possam retornar este ano por causa de um inverno excepcionalmente seco no sul da Europa.

Segundo estatísticas da Comissão Europeia (CE), cerca de 785,000 mil hectares da Europa foram destruídos no ano passado. Isso é mais do que o dobro da taxa média anual de destruição nas últimas 16 décadas.

De acordo com o Sistema Europeu de Informação sobre Incêndios Florestais (Comissão), no ano passado houve um recorde de 493 incêndios na Espanha que destruíram 307,000 ha de terra.

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA