Entre em contato

coronavírus

COVID-19 - Ucrânia adicionada à lista de países para viagens não essenciais

Compartilhar:

Publicados

on

Usamos sua inscrição para fornecer conteúdo da maneira que você consentiu e para melhorar nosso entendimento sobre você. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento.

Na sequência de uma revisão ao abrigo da recomendação sobre o levantamento gradual das restrições temporárias às viagens não essenciais para a UE, o Conselho atualizou a lista de países, regiões administrativas especiais e outras entidades e autoridades territoriais cujas restrições de viagem deviam ser levantadas. Em particular, Ruanda e Tailândia foram removidos da lista e a Ucrânia foi adicionada à lista.

Conforme estipulado na recomendação do Conselho, esta lista continuará a ser revisada regularmente e, conforme o caso, atualizada.

Com base nos critérios e condições estabelecidos na recomendação, a partir de 15 de julho de 2021, os Estados-Membros devem suspender gradualmente as restrições de viagem nas fronteiras externas para residentes dos seguintes países terceiros:

Anúncios
  • Albânia
  • Armênia
  • Austrália
  • Azerbaijão
  • Bósnia e Herzegovina
  • Brunei Darussalam
  • Canadá
  • Israel
  • Japão
  • Jordânia
  • Líbano
  • Montenegro
  • Nova Zelândia
  • Catar
  • República da Moldávia
  • República da Macedônia do Norte
  • Arábia Saudita
  • Sérvia
  • Cingapura
  • Coreia do Sul
  • Ucrânia (novo)
  • Estados Unidos da América
  • China, sujeito a confirmação de reciprocidade

As restrições de viagens também devem ser gradualmente suspensas para as regiões administrativas especiais da China, Hong Kong e Macau.

Na categoria de entidades e autoridades territoriais que não são reconhecidas como estados por pelo menos um estado membro, as restrições de viagem para Kosovo e Taiwan também devem ser gradualmente suspensas.

Os residentes de Andorra, Mónaco, San Marino e do Vaticano devem ser considerados residentes da UE para efeitos desta recomendação.

Anúncios

Os critérios para determinar os países terceiros para os quais a atual restrição de viagens deve ser levantada foram atualizados em 20 de maio de 2021. Cobrem a situação epidemiológica e a resposta geral ao COVID-19, bem como a fiabilidade das informações e fontes de dados disponíveis. A reciprocidade também deve ser levada em consideração caso a caso.

Os países associados a Schengen (Islândia, Lichtenstein, Noruega, Suíça) também fazem parte desta recomendação.

Contexto

Em 30 de junho de 2020, o Conselho adotou uma recomendação sobre o levantamento gradual das restrições temporárias às viagens não essenciais para a UE. Essa recomendação incluía uma lista inicial de países para os quais os Estados membros deveriam começar a suspender as restrições de viagem nas fronteiras externas. A lista é revisada regularmente e, conforme o caso, atualizada.

Em 20 de maio, o Conselho adotou uma recomendação de alteração para responder às campanhas de vacinação em curso, introduzindo certas isenções para as pessoas vacinadas e simplificando os critérios de levantamento das restrições para países terceiros. Ao mesmo tempo, as alterações têm em conta os possíveis riscos decorrentes de novas variantes, estabelecendo um mecanismo de freio de emergência para reagir rapidamente ao surgimento de uma variante com interesse ou preocupação num país terceiro.

A recomendação do Conselho não é um instrumento juridicamente vinculativo. As autoridades dos Estados membros continuam responsáveis ​​pela implementação do conteúdo da recomendação. Eles podem, com total transparência, suspender apenas progressivamente as restrições de viagem para os países listados.

Um Estado-Membro não deve decidir levantar as restrições de viagem para países terceiros não listados antes que isso tenha sido decidido de forma coordenada.

Esta designação não prejudica as posições sobre o estatuto e está em conformidade com a Resolução 1244 (1999) do CSNU e com o parecer do CIJ sobre a declaração de independência do Kosovo.

Recomendação do Conselho que altera a Recomendação do Conselho (UE) 2020/912 sobre a restrição temporária de viagens não essenciais para a UE e o possível levantamento dessa restrição

COVID-19: Recomendações de atualizações do Conselho sobre as restrições de viagens de países terceiros (comunicado à imprensa, 20 de maio de 2021)

COVID-19: viagem para a UE (informações básicas)

coronavírus

Comissão aprova esquema letão de 1.8 milhões de euros para apoiar criadores de gado afetados pelo surto de coronavírus

Publicados

on

A Comissão Europeia aprovou um esquema letão de 1.8 milhões de euros para apoiar os agricultores que atuam no setor da pecuária afetado pelo surto do coronavírus. O regime foi aprovado ao abrigo do auxílio estatal Estrutura Temporária. Ao abrigo do regime, o auxílio assumirá a forma de subvenções diretas. A medida visa mitigar a escassez de liquidez que os beneficiários enfrentam e fazer face a parte das perdas sofridas devido ao surto do coronavírus e às medidas restritivas que o governo letão teve de implementar para limitar a propagação do vírus. A Comissão concluiu que o regime está em conformidade com as condições do Quadro Temporário.

Em particular, o auxílio (i) não excederá 225,000 € por beneficiário; e (ii) será concedida até 31 de dezembro de 2021. A Comissão concluiu que a medida é necessária, adequada e proporcionada para remediar uma perturbação grave na economia de um Estado-Membro, em conformidade com o Artigo 107 (3) (b) TFUE e as condições estabelecidas no Quadro Temporário. Nesta base, a Comissão aprovou o regime ao abrigo das regras da UE em matéria de auxílios estatais. Mais informações sobre o Quadro Temporário e outras medidas tomadas pela Comissão para abordar o impacto econômico da pandemia de coronavírus podem ser encontradas aqui. A versão não confidencial da decisão será disponibilizada sob o número de processo SA.64541 no registro de auxílio estatal na Comissão competição site, uma vez que qualquer problema de confidencialidade tenha sido resolvido.

Anúncios

Leia mais

coronavírus

Comissão aprova esquema português de 500,000 euros para continuar a apoiar o setor de transporte de passageiros nos Açores no contexto do surto de coronavírus

Publicados

on

A Comissão Europeia aprovou um regime português de 500,000 euros para continuar a apoiar o sector do transporte de passageiros na Região dos Açores no contexto do surto de coronavírus. A medida foi aprovada ao abrigo do auxílio estatal Estrutura Temporária. Segue-se outro regime português de apoio ao sector do transporte de passageiros nos Açores, aprovado pela Comissão em 4 2021 junho (SA.63010) Ao abrigo do novo regime, o auxílio assumirá a forma de subvenções directas. A medida estará aberta a empresas de transporte colectivo de passageiros, de todas as dimensões, com actividade nos Açores. O objetivo da medida é mitigar a repentina escassez de liquidez que essas empresas estão enfrentando e fazer frente às perdas incorridas ao longo de 2021 devido ao surto do coronavírus e às medidas restritivas que o governo teve que implementar para limitar a propagação do vírus.

A Comissão concluiu que o regime português está em conformidade com as condições estabelecidas no Quadro Temporário. Em particular, o auxílio (i) não excederá 1.8 milhões de euros por empresa; e (ii) será concedida até 31 de dezembro de 2021. A Comissão concluiu que a medida é necessária, adequada e proporcionada para remediar uma perturbação grave na economia de um Estado-Membro, em conformidade com o Artigo 107 (3) (b) TFUE e as condições do Quadro Temporário. Nesta base, a Comissão aprovou a medida ao abrigo das regras da UE em matéria de auxílios estatais. Mais informações sobre o Quadro Temporário e outras medidas tomadas pela Comissão para abordar o impacto econômico da pandemia de coronavírus podem ser encontradas aqui. A versão não confidencial da decisão será disponibilizada sob o número de processo SA.64599 no auxílios estatais registrar-se na Comissão website da competição uma vez resolvidos os problemas de confidencialidade.

Anúncios

Leia mais

coronavírus

Comissão autoriza regime de auxílio francês de 3 bilhões de euros para apoiar, por meio de empréstimos e investimentos de capital, empresas afetadas pela pandemia do coronavírus

Publicados

on

A Comissão Europeia aprovou, ao abrigo das regras de auxílios estatais da UE, os planos da França de criar um fundo de 3 mil milhões de euros que investirá através de instrumentos de dívida e instrumentos de capital e híbridos em empresas afectadas pela pandemia. A medida foi autorizada ao abrigo do Quadro Temporário de Auxílios Estatais. O esquema será implementado por meio de um fundo, intitulado 'Fundo de Transição para Empresas Afetadas pela Pandemia COVID-19', com um orçamento de € 3 bilhões.

Ao abrigo deste esquema, o apoio assumirá a forma de (i) empréstimos subordinados ou participativos; e (ii) medidas de recapitalização, em particular instrumentos híbridos de capital e ações preferenciais sem direito a voto. A medida está aberta a empresas estabelecidas na França e presentes em todos os setores (exceto o financeiro), que eram viáveis ​​antes da pandemia do coronavírus e que demonstraram a viabilidade de longo prazo de seu modelo econômico. Prevê-se que entre 50 e 100 empresas beneficiem deste regime. A Comissão considerou que as medidas cumpriam as condições estabelecidas no quadro temporário.

A Comissão concluiu que a medida era necessária, adequada e proporcionada para remediar uma perturbação grave da economia francesa, nos termos do artigo 107.º, n.º 3, alínea b), do TFUE e das condições estabelecidas na supervisão temporária. Nesta base, a Comissão autorizou estes regimes ao abrigo das regras da UE em matéria de auxílios estatais.

Anúncios

Vice-Presidente Executivo Margrethe Vestager (retratado), a política de concorrência afirmou: “Este esquema de recapitalização de € 3 bilhões permitirá à França apoiar as empresas afetadas pela pandemia do coronavírus, facilitando o seu acesso ao financiamento nestes tempos difíceis. Continuamos a trabalhar em estreita colaboração com os estados membros para encontrar soluções práticas para mitigar o impacto econômico da pandemia de coronavírus, respeitando as regulamentações da UE ”.

Anúncios
Leia mais
Anúncios
Anúncios
Anúncios

TENDÊNCIA