Entre em contato

Energia

Comissão intensifica esforços para combater a pobreza energética e reforçar a proteção dos consumidores

Compartilhar:

Publicado

on

Antes do inverno, a Comissão está a reforçar a sua ação para proteger os consumidores de energia, em particular os vulneráveis. Com a adoção de um novo Recomendação sobre a pobreza energética, a Comissão reforça o seu compromisso de garantir que a transição para as energias limpas seja justa e equitativa para todos.

A Recomendação estabelece boas práticas para melhorias estruturais que os Estados-Membros podem adotar para abordar as causas profundas da pobreza energética. Também são destacados os investimentos em medidas estruturais para combater o baixo desempenho energético das casas e dos eletrodomésticos. Outras medidas incluem o fornecimento de informações claras sobre as faturas de energia e as práticas de poupança de energia e o incentivo aos cidadãos a aderirem a comunidades energéticas ou a mudarem para soluções de energias renováveis. A Recomendação, que é acompanhada por uma descrição detalhada Documento de trabalho, também apresenta sugestões sobre a forma como o orçamento da UE pode ser aproveitado a nível nacional.

Comissário de Justiça Didier Reynders e o Comissário de Energia Kadri Simson (retratado) apresentou a recomendação às partes interessadas num evento sobre pobreza energética. Assistiram também à assinatura da Declaração Conjunta renovada das partes interessadas sobre o reforço da proteção dos consumidores no inverno. Esta iniciativa, começou em dezembro de 2022, reúne as principais partes interessadas que representam consumidores, reguladores, fornecedores e distribuidores de energia em torno de princípios comuns sobre dificuldades de pagamento e diferimentos de faturas, e para garantir que ninguém seja desligado do fornecimento de energia.

O Comissário Reynders afirmou: «Com o aumento dos preços da energia no ano passado e a crise do custo de vida, milhões de consumidores têm lutado para fazer face às despesas. Embora a situação tenha melhorado em comparação com o Inverno passado, o custo de vida continua elevado e os preços da energia continuam mais elevados do que antes da crise. Muitos consumidores, e especialmente aqueles em situações vulneráveis, enfrentarão provavelmente dificuldades para manter as suas casas aquecidas e pagar as suas contas de energia. Devemos continuar a fazer todo o possível para proteger os consumidores necessitados.”

O Comissário Simson afirmou: «A pobreza energética não é um fenómeno novo na UE, nem está relacionado apenas com os preços da energia, mas foi colocada em destaque nos últimos anos com a armamento do seu abastecimento energético pela Rússia. Ocorre em todos os Estados-Membros e aumenta a pressão sobre aqueles que já se encontram em situações vulneráveis. Actuámos para trazer mais estabilidade ao mercado da energia e estamos agora a ir além das medidas de crise para proporcionar aos consumidores uma maior previsibilidade dos preços a longo prazo. A recomendação hoje apresentada centra-se em medidas estruturais a longo prazo, como a garantia do acesso a habitações e eletrodomésticos energeticamente eficientes, bem como a energias renováveis, o que ajudará a capacitar todas as pessoas para impulsionar a transição para energias limpas na Europa.»

Você pode encontrar mais informações SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA.

Anúncios

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA