Entre em contato

Meio Ambiente

Especialistas holandeses analisam a gestão de enchentes no Cazaquistão

Compartilhar:

Publicado

on

Os especialistas holandeses em gestão de recursos hídricos estão dispostos a trabalhar com os seus homólogos cazaques para desenvolver um plano de acção que ajude a prevenir futuras inundações. Sendo um estado parcialmente localizado abaixo do nível do mar, os Países Baixos têm historicamente enfrentado a ameaça de inundações. Durante centenas de anos, o país construiu barragens, canais e estações de bombeamento, competindo com a água por novos lotes de terra para a vida e a agricultura.

Tengrinews conversou com Fredrik Huthoff, Professor Associado de Engenharia Hidráulica no IHE Delft Institute for Water Education, que chegou ao Cazaquistão a pedido da embaixada do Cazaquistão na Holanda para estudar a situação das inundações.“A escala das inundações é realmente um grande desafio. , com o qual nós, na Holanda, aprendemos em grande parte com o Cazaquistão”, disse ele.

“A primeira coisa que podemos ajudar é garantir que o que está sendo feito está correto. Nestes dois dias em que temos trabalhado juntos, vimos que as autoridades cazaques estão a tentar fazer todo o possível para fazer face à situação. Mas uma grande questão é se estes esforços estão certos”.

Ele observou que muitas estruturas de proteção contra inundações no Cazaquistão foram construídas há muito tempo. “O mundo, o clima e a população mudaram, mas estas estruturas não. Devemos aprender, adaptar-nos e acompanhar as mudanças no mundo que nos rodeia para estarmos preparados para os próximos cenários de desastre”.

Fredrik Huthoff também citou os principais fatores que causaram inundações no Cazaquistão. Segundo o especialista, o Cazaquistão enfrenta uma situação única nesta primavera. “No início do inverno não havia neve, isso levou ao congelamento do solo. Em seguida, uma cobertura de gelo se formou sobre ele devido à neve que caiu tarde, que derreteu e congelou novamente, e então a neve caiu várias vezes sobre ela. Portanto, a água não conseguiu chegar à superfície, como costuma acontecer, e acumulou-se no seu interior”, explicou.

O especialista também partilhou a sua opinião sobre que tecnologias podem ser introduzidas no Cazaquistão para combater as inundações com base na experiência dos Países Baixos.“Há diferentes lados disto. Dada a escala do problema, muito disso tem a ver com planeamento, previsão, saber onde e quando é melhor concentrar os recursos no curto prazo. E então você pode pensar em outras soluções, como redesenvolvimento, remoção de propriedades vulneráveis ​​de áreas que poderiam ser inundadas e construção de estruturas. Mas são ações muito caras que exigem certos estudos que não podem ser realizados em caso de emergência”, enfatizou.

Segundo Fredrik Huthoff, as alterações climáticas afectam o mundo inteiro. O aumento das temperaturas pode significar mais secas e menos água. Porém, quando a água sai, ela vem em grandes quantidades. A experiência global sugere que os locais que permanecem secos durante mais tempo sofrem inundações mais intensas, e o especialista alertou que o Cazaquistão poderá muito provavelmente enfrentar esta situação novamente.

Anúncios

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA