Entre em contato

Mídia

Como pode o direito europeu garantir um tratamento justo para os nossos autores e artistas intérpretes ou executantes no setor audiovisual?

Compartilhar:

Publicado

on

Na sequência das greves de argumentistas e intérpretes que atingiram Hollywood a partir de meados de 2023, este novo relatório analisa as várias leis na Europa que visam garantir uma remuneração justa às nossas forças criativas. Como cada país os aplica?
Este novo relatório -Remuneração justa para autores e intérpretes audiovisuais em acordos de licenciamento - do Observatório Europeu do Audiovisual examina como a Diretiva da UE 2019/790 sobre Direitos de Autor e Direitos Conexos no Mercado Único Digital (Diretiva CDSM) visa fortalecer a posição dos autores e artistas intérpretes ou executantes ao licenciar os seus direitos exclusivos para a utilização das suas obras ou performances . O relatório analisa as abordagens adotadas pelos Estados-Membros para enfrentar estes desafios na implementação desta diretiva, que foi adotada em 2019 e deveria ser transposta para o direito nacional em 2021. 

Capítulo um fornece uma visão estruturada da cadeia de valor envolvida na criação de uma obra audiovisual, das várias fases de produção e dos direitos associados que devem ser licenciados, com especial enfoque nos novos modelos de distribuição online. Passando a analisar os direitos económicos dos autores e artistas audiovisuais, os autores examinam a natureza dos direitos de autor e dos direitos conexos, analisando em particular a possível transferência de direitos para o produtor. Este capítulo termina com uma análise dos vários tipos de contratos e respectivas remunerações que são habituais no actual sector audiovisual europeu.

O capítulo dois aborda o quadro jurídico da UE para uma remuneração justa. Os autores sublinham que um mercado de direitos de autor que funcione bem necessita de dois objectivos políticos principais: melhorar a falta de transparência nas relações contratuais e restaurar o equilíbrio entre o poder de negociação dos vários parceiros contratuais. Este capítulo detalha então o Capítulo 3 do Título IV da Diretiva CDSM e as diversas disposições que contém relativas à remuneração justa e à transparência nos contratos de exploração e como garantir um mercado que funcione bem para os direitos de autor.
O capítulo três centra-se ainda mais na aplicação do Capítulo 3, Título IV, da Diretiva CDSM, no que diz respeito à transferência de direitos para o produtor, à forma de garantir uma remuneração adequada e proporcional aos autores e intérpretes ou executantes pela exploração das suas obras e execuções, e às obrigações de transparência . Os autores comparam e contrastam diferentes abordagens em sete estados membros da UE -: Alemanha, França, Bélgica, Hungria, Países Baixos, Eslovénia e Espanha. A análise detalhada do quadro regulamentar em vigor no cada um desses estados membros é fornecido no anexo desta publicação (https://go.coe.int/26aV9). O quarto capítulo analisa o papel da negociação coletiva na garantia de maior transparência nas disposições contratuais e na remuneração justa dos criadores do setor audiovisual. Apresenta uma visão geral dos vários mecanismos previstos a nível nacional para este fim. O relatório analisa em particular os acordos colectivos, que são aqui examinados à luz do direito europeu da concorrência, e as organizações de gestão colectiva, cujo papel e funcionamento são descritos. Os autores analisam de forma prática exemplos de acordos colectivos e a sua aplicação na Alemanha, Suécia, Dinamarca, Polónia, França, Itália, Países Baixos e Estados Unidos. 

O capítulo cinco conduz o leitor através da jurisprudência recente da UE neste domínio. Embora a transposição tardia da Directiva CDSM em muitos Estados-Membros ainda não permita uma jurisprudência abundante, alguns conceitos-chave relacionados com a remuneração adequada e proporcional já têm sido considerados há muito tempo pelos tribunais nacionais e internacionais, que são aqui examinados. Os autores concluem sublinhando “quão central é a questão da remuneração justa dos criadores a nível global, em particular no contexto das plataformas de streaming, com vista a apoiar a vitalidade e a sustentabilidade do setor cinematográfico e audiovisual”. Um novo relatório gratuito de leitura obrigatória para compreender como a legislação da UE visa garantir um acordo de remuneração justo para autores e artistas audiovisuais que trabalham nas atuais indústrias audiovisuais europeias.
Descubra os nossos outros relatórios sobre a legislação europeia sobre a comunicação social
­
Conheça nossos autores 
Sophie ValaisComo Vice-Chefe do Departamento de Informação Jurídica do Observatório Europeu do Audiovisual, Sophie Valais contribui regularmente para as publicações jurídicas do Observatório, gere projetos financiados pela UE dentro do departamento e participa na organização de eventos e conferências do Observatório. Perfil do linkedIn
Justine Radel-CormannJustine Radel ingressou no Departamento de Informação Jurídica do Observatório em fevereiro de 2022 como Analista Jurídica: ela contribui para as publicações jurídicas do Observatório. Ela coordena projetos financiados pela UE e colabora com especialistas externos para a realização dos mapeamentos do DLI sobre transposições nacionais da Diretiva AVMS. Perfil do linkedIn
Amélie LacourtAmélie Lacourt ingressou no Departamento de Informação Jurídica do Observatório em janeiro de 2022. É responsável pela Newsletter IRIS, incluindo a edição e publicação dos números. Ela também mantém contato e gerencia a rede de correspondentes. Além disso, Amélie também contribui para publicações jurídicas, conferências e projetos financiados pela UE realizados pelo departamento jurídico.Perfil do linkedIn
Quem somos nós? Fazemos parte do Conselho da Europa em Estrasburgo. O Observatório Europeu do Audiovisual fornece dados e análises sobre as indústrias do cinema, da televisão e do VOD na Europa, de um ponto de vista económico e jurídico. 

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA