Entre em contato

Transporte

Colocar o transporte ferroviário “no caminho certo para a Europa”

Compartilhar:

Publicado

on

Antes das eleições europeias de junho deste ano, a Comunidade das Empresas Ferroviárias e de Infraestruturas Europeias (CER) lançou o seu manifesto 2024-29 “No caminho certo para a Europa” num evento de alto nível organizado no Parlamento Europeu pelo eurodeputado Dominique Riquet. Com o firme objectivo de alcançar os objectivos de transferência modal e de partilha modal da Estratégia da UE para a Mobilidade Sustentável e Inteligente, o manifesto expõe a visão do sector ferroviário europeu para o bom funcionamento dos serviços ferroviários de passageiros e de mercadorias numa rede de infra-estruturas ferroviárias de alta capacidade, que ser um facilitador essencial das transições ecológica e digital da Europa.

Os caminhos-de-ferro têm grandes ambições para o futuro dos transportes sustentáveis ​​na Europa: ligações de alta velocidade entre todas as capitais da UE e as principais cidades, serviços regionais de qualidade para todos, mais comboios nocturnos e opções de turismo sustentável, operações de transporte de mercadorias totalmente digitais tendo o caminho-de-ferro como espinha dorsal da rede -logística zero. A importância destas questões também foi sublinhada no Relatório de Alto Nível do antigo Primeiro-Ministro italiano Enrico Letta sobre o futuro do Mercado Único, que apela à UE para construir ligações ferroviárias de alta velocidade entre todas as capitais da UE para resolver um “paradoxo flagrante” em Infraestruturas da UE.

O manifesto defende que o transporte ferroviário, com as suas vantagens únicas em termos de poupança de emissões, eficiência energética e geração de actividade económica, deve estar no centro de todos os instrumentos políticos concebidos para promover a sustentabilidade, a independência energética e a prosperidade da Europa. A CER sublinha a necessidade de uma visão estratégica que abranja o transporte sustentável.

O apoio a investimentos públicos e privados em infraestruturas é fundamental para continuar a promover projetos ferroviários na rede pan-europeia de transportes RTE-T, bem como para aprofundar o mercado único através de um Plano Diretor de Alta Velocidade e promover a interoperabilidade. Este desenvolvimento é acompanhado pela implantação de facilitadores digitais, permitindo operações ferroviárias mais seguras e eficientes na UE. O CER apela aos estados membros para que façam disto uma prioridade na próxima legislatura da Comissão Europeia e do Parlamento Europeu.  

São identificados quatro pilares fundamentais para orientar a ação política futura:

  • Concorrência leal entre modos de transporte – Apesar dos esforços anteriores, o quadro regulamentar atual não é justo, com os caminhos-de-ferro a suportarem muitos custos e obrigações não impostas a outros modos de transporte. Ainda há muito a fazer para corrigir os desequilíbrios nas condições e nos preços de acesso às infra-estruturas, na tributação da energia, nas regras do IVA e nas diferentes condições sociais, nomeadamente permitindo práticas de dumping social no sector rodoviário.
  • Financiamento adequado dos caminhos-de-ferro – Os caminhos-de-ferro necessitam de um financiamento justo, abrangente e de longo prazo. A satisfação das enormes necessidades de investimento em infra-estruturas do sector exigirá uma maior rubrica orçamental da UE para os transportes num quadro financeiro plurianual alargado, incluindo novas fontes de financiamento da UE, tais como receitas afectadas do Sistema de Comércio de Emissões da UE.
  • Implantação dos principais facilitadores digitais do transporte ferroviário – Inclui o Sistema Europeu de Gestão do Tráfego Ferroviário (ERTMS) e a Gestão da Capacidade Digital (DCM) para uma utilização otimizada da rede ferroviária, o Acoplamento Automático Digital (DAC) como um passo crucial para operações de transporte de mercadorias totalmente digitais, e o Modelo Aberto de Vendas e Distribuição (OSDM) para facilitar a emissão de bilhetes internacionais. Esses factores de mudança digital não só melhoram os serviços ferroviários para os seus utilizadores finais, mas também reduzem custos. Por exemplo, o aumento da capacidade ferroviária que pode ser alcançado através de meios digitais com o DCM requer apenas 5% do orçamento que seria necessário para construir novas infraestruturas ferroviárias físicas.
  • Uma abordagem mais ecológica às políticas de mercado e de concorrência – A política de concorrência deve ter melhor em conta as políticas climáticas e ambientais da UE e deve evitar qualquer transferência modal para modos de transporte mais poluentes. Certos segmentos do mercado ferroviário, como o vagão único, muitas vezes não são hoje economicamente viáveis, mas representam uma solução de transporte sustentável e viável para combater a crise climática. A ajuda a esses serviços não pode ser avaliada com base em regras que não considerem as orientações políticas estratégicas da UE como um todo, incluindo os objetivos do Pacto Ecológico da UE.

Durante o evento de lançamento, a CER reuniu as impressões dos actuais decisores políticos, bem como de partes interessadas externas que representam utilizadores empresariais e da sociedade civil dos serviços ferroviários, muitos dos quais contribuíram para o inquérito de 2023 que alimentou o manifesto final.

Dominique Riquet, eurodeputado, disse que “no final desta legislatura, é hora de fazer um balanço das nossas conquistas. Conseguimos muito com o MIE II, a regulamentação da capacidade ferroviária em curso ou as orientações da RTE-T. No entanto, a luta pelo transporte ferroviário continua. Devemos agora refletir sobre os futuros desenvolvimentos políticos para melhor utilizá-los e alcançar os nossos objetivos de descarbonização”.

Anúncios

O orador principal, o Vice-Primeiro-Ministro e Ministro da Mobilidade belga, Georges Gilkinet, saudou a iniciativa do sector, afirmando que “os comboios devem tornar-se a espinha dorsal da nossa mobilidade europeia se quisermos descarbonizar as nossas economias. A transferência modal para o transporte ferroviário, o modo de transporte mais sustentável, deve ser uma prioridade política para a próxima Comissão da UE. Para implementar isto e ligar todos os europeus por via ferroviária, precisamos de investir maciçamente no setor. O Programa MIE está a desempenhar um papel crucial e precisamos de continuar nesta direção com um terceiro convite à apresentação de propostas do MIE bem financiado. Uma visão de longo prazo, um financiamento sólido e pessoas são a chave para uma mobilidade europeia preparada para o futuro”.

Também falando no evento de lançamento, Filip Alexandru Negreanu Arboreanu, Chefe de Gabinete da Comissária Europeia dos Transportes, Adina Vălean, deu a sua reacção positiva ao manifesto. “O vosso apoio a um forte instrumento de financiamento para infra-estruturas de transportes é extremamente valioso e muito apreciado. E você também pode contar com o nosso apoio para fazer do transporte ferroviário o modo de transporte desejado do futuro”, afirmou.

O Diretor Executivo da CER, Alberto Mazzola, afirmou que “no Manifesto da CER, os caminhos-de-ferro comprometem-se a fornecer às novas gerações de europeus: melhores serviços de passageiros para todos, incluindo ligações de alta velocidade entre capitais e grandes cidades; operações digitais de transporte ferroviário de mercadorias integradas com outros modos, conduzindo a uma logística europeia com emissões zero; e infraestruturas fiáveis, seguras e de alta velocidade, bem como melhorias na rede existente através da modernização e da digitalização. Apelamos à UE e aos Estados-Membros para uma política de investimento sustentável para continuarem a dar prioridade e a apoiar o transporte ferroviário”. 

Com sugestões políticas concretas para cada um dos seus quatro pilares, o manifesto CER 2024-2029 mostra o que é necessário para permitir que o transporte ferroviário se desenvolva ainda mais e que a Europa beneficie de todo o potencial do transporte ferroviário.

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA