Entre em contato

Energia

Eurodeputados apoiam a retirada da UE do Tratado da Carta da Energia

Compartilhar:

Publicado

on

 
Um painel conjunto de eurodeputados das comissões da Indústria, Investigação, Energia e Comércio Internacional defendeu a aprovação do Parlamento Europeu à retirada da UE do Tratado da Carta da Energia (ECT). A recomendação foi adotada com 58 votos a 8, com 2 abstenções. O Parlamento como um todo realizará uma votação durante a sua sessão de 22 e 25 de abril, em Estrasburgo.

Se o Parlamento aprovar, o Conselho poderá adoptar a decisão por maioria qualificada. O Tratado da Carta da Energia (TCE), estabelecido em 1994 para reger o comércio e o investimento no sector da energia, tornou-se um ponto central de controvérsia. O Parlamento Europeu também manifestou a necessidade de uma saída numa resolução adotada em 2022.

A relatora da Comissão de Comércio, Anna Cavanzzini (Verdes/ALE, DE), afirmou: «A votação de hoje constitui um passo importante na direção certa. A UE está finalmente a retirar-se do Tratado da Carta da Energia, hostil ao clima. A UE deve tornar-se um continente com impacto neutro no clima o mais rapidamente possível. Agora, o tratado sobre os dinossauros fósseis já não impede finalmente uma protecção climática consistente, uma vez que já não temos de temer processos judiciais empresariais de milhares de milhões de euros de indemnização perante tribunais de arbitragem privados. ”.

O relator da Comissão da Indústria, Investigação e Energia, Mar Botenga (A Esquerda, BE), afirmou: “O Tratado da Carta da Energia permite que as multinacionais de combustíveis fósseis processem os Estados e a União Europeia se as políticas climáticas afectarem os seus lucros. Em plena crise climática, isto é uma contradição, além de custar muito caro aos contribuintes. Com a sociedade civil, construiu-se um movimento significativo para a saída deste tratado. Fico feliz em ver esta mobilização dando frutos hoje. Agora é necessário acelerar os investimentos públicos em energias renováveis.”

O Tratado da Carta da Energia (ECT), um acordo multilateral centrado no sector da energia, foi estabelecido em 1994 para facilitar a cooperação internacional e fornecer um quadro para a protecção do investimento, o comércio e a resolução de litígios no domínio da energia. No entanto, manteve-se praticamente inalterado desde a década de 1990, tornando-se desatualizado e um dos tratados de investimento mais litigados a nível mundial.

A Comissão propõe agora uma retirada coordenada por parte da União e dos seus Estados-Membros, uma vez que considera que o Tratado já não é compatível com os objetivos climáticos da UE no âmbito do Pacto Ecológico Europeu e do Acordo de Paris, principalmente devido a preocupações com a continuação dos investimentos em combustíveis fósseis.

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA