Entre em contato

Bem estar animal

Acordo comercial UE-Chile fica aquém do bem-estar animal

Compartilhar:

Publicado

on

O Acordo de Livre Comércio modernizado entre a UE e o Chile, aprovado pelo Parlamento Europeu esta semana, inclui compromissos com o bem-estar animal, tais como o reconhecimento da senciência animal, a eliminação progressiva dos antibióticos utilizados como promotores de crescimento e a linguagem sobre a cooperação em matéria de bem-estar animal.

Embora estas disposições sejam bem-vindas, os impactos negativos da liberalização comercial incondicional não devem ser ignorados: A UE e o Chile devem maximizar a linguagem sobre a cooperação em matéria de bem-estar animal no âmbito do acordo, para garantir progressos significativos no bem-estar dos animais.

Em 2002, quando a UE e o Chile concluíram o seu primeiro acordo comercial, acrescentaram, pela primeira vez, disposições sobre cooperação em matéria de bem-estar animal. No entanto, foi seguido por uma intensificação crescente nos sectores da pecuária e da aquicultura chilenos devido ao aumento das oportunidades comerciais. Há um alto risco de que este acordo modernizado alimente esta tendência, pois garante maior acesso ao mercado para produtos de origem animal chilenos, aumentando as cotas para aves, suínos, ovinos e bovinos. sem qualquer condição de bem-estar animal. Tal condição poderia ter contribuído para melhorar os padrões de bem-estar animal no Chile, especialmente considerando que Produtores chilenos acreditam que o acordo comercial geraria maior segurança para investimentos voltados às exportações para a UE.

O ACL inclui um capítulo sobre sistemas alimentares sustentáveis ​​com disposições sobre cooperação em matéria de bem-estar animal, apesar de não ser vinculativo. A futura cooperação entre a UE e o Chile em matéria de bem-estar animal, enquanto parceiros que partilham as mesmas ideias, deve centrar-se em iniciativas concretas, como a eliminação progressiva das gaiolas para suínos e aves de capoeira, juntamente com densidades populacionais mais baixas para as aves de capoeira. Outras áreas incluem o transporte de animais, a utilização de anestesia para mutilações e planos de acção conjuntos para eliminar gradualmente a utilização de antibióticos na produção animal.

É decepcionante que a nova abordagem da UE aos capítulos do Comércio e do Desenvolvimento Sustentável (CDS) ainda não se aplique a este acordo comercial. O processo de revisão do capítulo sobre comércio e desenvolvimento sustentável deve conter uma linguagem detalhada sobre a ligação entre o bem-estar dos animais e o desenvolvimento sustentável, a conservação e o tráfico de vida selvagem, e a importância de garantir o bem-estar na aquicultura. Em termos de aplicação, a UE e o Chile devem criar roteiros claros, identificar questões prioritárias e incluir sanções de último recurso.

Em novembro de 2021, o presidente chileno Gabriel Boric assinou um Compromisso Animalista com a Veg Foundation durante sua campanha. O documento traz 10 pontos para melhorar a vida dos animais criados para consumo.

"Infelizmente, após dois anos de governo, muito pouco progresso foi feito no cumprimento deste compromisso, uma vez que apenas um dos 10 pontos foi trabalhado. Apelamos ao Presidente Boric para que mantenha a sua palavra e melhore a vida de milhões de animais no Chile, implementando estes pontos tanto nos acordos comerciais como na legislação nacional. Este ACL poderia ter reforçado os esforços nacionais semelhantes ao impacto do primeiro acordo comercial UE-Chile, que levou à adoção da lei chilena sobre bem-estar animal em 2009", comentou Ignacia Uribe, fundadora e CEO da Veg Foundation.

Anúncios

"Até que a UE tenha requisitos de importação baseados no bem-estar animal, a UE deverá negociar condições ambiciosas de bem-estar animal com todos os parceiros comerciais e replicar a abordagem que seguiu no acordo comercial UE-Nova Zelândia. A UE não deve permitir que a sua agenda comercial congele o caminho para sistemas alimentares de maior bem-estar. Adotar condições de bem-estar animal em alguns ACL e omiti-las noutros seria certamente incoerente”, Comentou Reineke Hameleers, CEO, Eurogrupo para Animais.

Eurogrupo para Animais e organização com sede no Chile Fundação Vegetal lamentamos que a modernização deste acordo comercial não garanta que O comércio UE-Chile não tem um impacto negativo sobre os animaise incentivar a transição efetiva para sistemas alimentares sustentáveis ​​em que o bem-estar dos animais seja promovido e respeitado.


Eurogroup for Animals representa mais de noventa organizações de proteção animal em quase todos os Estados-Membros da UE, no Reino Unido, na Suíça, na Sérvia, na Noruega e na Austrália. Desde a sua fundação em 1980, a organização conseguiu encorajar a UE a adoptar normas jurídicas mais rigorosas para a protecção dos animais. O Eurogrupo para os Animais reflete a opinião pública através dos seus membros e possui os conhecimentos científicos e técnicos necessários para fornecer aconselhamento confiável sobre questões relacionadas com a proteção dos animais. O Eurogrupo para os Animais é membro fundador do Federação Mundial para Animais que une o movimento de proteção animal em nível global.

Fundação Vegetal é uma organização internacional sem fins lucrativos que trabalha na América Latina para promover dietas baseadas em vegetais e reduzir o sofrimento dos animais de criação. Através do seu projeto Observatório Animal trabalha com empresas e governos para melhorar a vida dos animais criados para consumo. Também realiza diversas investigações para conscientizar o público.

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA