Entre em contato

Marítimo

Novo relatório: Mantenha os peixes pequenos em abundância para garantir a saúde dos oceanos

Compartilhar:

Publicado

on

Apenas uma em cada seis populações de peixes forrageiros no Atlântico Nordeste é explorada de forma sustentável e está em estado saudável, de acordo com um estudo Denunciar publicado pela Oceana. A organização de conservação marinha insta os países do Nordeste do Atlântico a melhorarem a gestão destes pequenos peixes, antes das negociações sobre os limites de pesca ainda este ano.

Muitas espécies marinhas – desde mamíferos marinhos e aves marinhas até peixes comercialmente importantes – dependem de peixes forrageiros como a galeota, a espadilha e o arenque como fonte primária de alimento.

No entanto, os países do Atlântico Nordeste pescam-nas a níveis insustentáveis. Das 32 populações de peixes forrageiros analisadas no relatório da Oceana, apenas uma fração (16% ou 5 populações) é explorada de forma sustentável e está em estado saudável. Os restantes estão sujeitos à sobrepesca, com níveis de abundância preocupantemente baixos, ou o seu estado é desconhecido devido a limitações de dados.

A Vice-Presidente da Oceana na Europa, Vera Coelho, afirmou: “O mau estado destas populações de peixes mostra que estamos simplesmente a falhar na forma como exploramos os peixes forrageiros. Ao decidirem sobre os limites de pesca para a galeota, a espadilha, o arenque e outros, os ministros das pescas devem abandonar a abordagem de «capturar o máximo que puder» e começar a considerar como estas espécies são alimentos essenciais para outros animais marinhos – incluindo espécies comerciais importantes, como como bacalhau e badejo.”

As actuais regras de gestão das pescas centram-se na maximização das capturas a longo prazo, o que pode ser sustentável para as próprias unidades populacionais de peixes forrageiros, mas não necessariamente para os seus predadores, uma vez que os priva de um abastecimento alimentar adequado. Estes mesmos predadores também são afectados pela utilização industrial de peixes forrageiros, uma vez que as capturas de algumas populações são quase exclusivamente destinadas à produção de farinha e óleo de peixe, para alimentar peixes de aquicultura.

“Não faz sentido retirar esta fonte essencial de alimento, digamos, do bacalhau, dos papagaios-do-mar ou dos golfinhos para dá-la ao salmão de viveiro ou a outras espécies de aquicultura”, acrescentou Coelho.

As populações de peixes forrageiros flutuam muito em termos de abundância e distribuição, devido, por exemplo, ao aquecimento das temperaturas dos oceanos e ao sucesso reprodutivo. A sobrepesca agrava esta situação e enfraquece a resiliência destes peixes às mudanças ambientais e outras pressões humanas, incluindo os impactos climáticos. As dificuldades em determinar a sua abundância e taxa de exploração, mesmo para populações avaliadas cientificamente, fazem com que os decisores muitas vezes tomem decisões de gestão inadequadas.

Anúncios

Para gerir melhor as espécies de peixes forrageiros, a Oceana apela à UE e a outras nações pesqueiras do Atlântico Nordeste para que adotem a Gestão das Pescas Baseada em Ecossistemas (EBFM) e tenham em conta o papel desempenhado pelos peixes forrageiros nas cadeias alimentares marinhas e no ecossistema em geral. . As principais recomendações do relatório incluem:

  • Adotar limites de captura com base em dados científicos melhorados e atualizados, tendo em conta considerações ecossistémicas e ambientais mais amplas;
  • implementar estratégias de gestão adaptativas, que incluam objetivos para manter a abundância da população dentro dos limites ecológicos, e testá-las e atualizá-las regularmente, e;
  • proteger melhor os habitats e os ecossistemas, restringindo atividades que possam degradar os habitats essenciais dos peixes forrageiros e exigindo uma avaliação exaustiva do impacto da pesca dos peixes forrageiros.

Manter os peixes forrageiros em níveis saudáveis ​​e abundantes trará benefícios indiretos para o ambiente marinho, para as comunidades piscatórias e para a sociedade em geral.

Relatório Oceana Pequeno, mas poderoso: gestão de peixes forrageiros do Atlântico Nordeste para sustentar a vida marinha

Fotos de peixes forrageiros e predadores marinhos

Animação de vídeo sobre peixes forrageiros

Oceana Briefing: Recomendações para o manejo de peixes forrageiros no Atlântico Nordeste

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.
Anúncios

TENDÊNCIA