Entre em contato

Bavaria

Contenha a inflação com alta de juros, ministro bávaro pede BCE

Publicados

on

A inflação mais alta está agravando a situação dos poupadores e o Banco Central Europeu deve responder aumentando suas taxas de juros de 0%, o ministro das finanças da Baviera, Albert Fueracker (foto), disse diariamente Bild nos comentários publicados na quarta-feira (2 de junho).

A inflação anual dos preços ao consumidor na Alemanha acelerou em maio, avançando ainda mais acima da meta do BCE de quase 2%, mas abaixo de XNUMX%, disse o Escritório Federal de Estatísticas na segunda-feira.

Os preços ao consumidor, harmonizados para serem comparáveis ​​aos dados de inflação de outros países da União Europeia, aumentaram 2.4% em maio, ante 2.1% em abril.

"A Alemanha é um país de poupadores. A política de juros zero de longa data do BCE é um veneno para os planos de poupança típicos", disse Fueracker, membro da conservadora União Social Cristã (CSU) da Baviera, ao jornal diário que vende em massa.

"Em combinação com a inflação agora em alta, a expropriação para os poupadores está se tornando cada vez mais perceptível. A Baviera vem alertando há anos que a política de taxa de juros zero deve ser encerrada - agora é mais que a hora", acrescentou.

Alemães conservadores há muito reclamam que as taxas de juros de 0% do BCE prejudicam os poupadores, pois eles ficam com pouco ou nenhum ganho - um problema agravado pelo aumento da inflação que erodiu o valor de seus ovos.

Os dados de preços de segunda-feira para maio mostraram que uma medida nacional de inflação subiu para 2.5%, o nível mais alto desde 2011.

Sob o título "A inflação está consumindo nossas economias", o Bild publicou uma história separada alertando: "Trabalhadores, aposentados e poupadores da Alemanha estão com medo por causa da alta inflação!"

Na terça-feira, o ministro da economia do governo federal alemão, Peter Altmaier, disse que estava "observando esse desenvolvimento com a inflação muito de perto", mas ainda não podia emitir um julgamento sobre ele.

Os alemães votam nas eleições federais de 26 de setembro. Até agora, a inflação não ganhou força como questão de campanha, mas deve ultrapassar 3% no final deste ano, com o aumento de impostos e efeitos estatísticos aumentando as pressões sobre os preços. Mais informações

Já os maiores críticos da política do BCE, alguns alemães conservadores temem que o banco central seja excessivamente complacente com a inflação e que sua política de dinheiro fácil possa anunciar um novo período de preços mais altos.

Anúncios

Twitter

Facebook

Anúncios

TENDÊNCIA