Entre em contato

Economia

Os ministros das finanças da UE aprovam estratégia ambiciosa para aproveitar os pontos fortes do Grupo BEI

Compartilhar:

Publicado

on

A presidente do Banco Europeu de Investimento, Nadia Calviño, partilhou hoje com os ministros das finanças da UE uma estratégia ambiciosa para aproveitar os pontos fortes do Grupo BEI, concentrar-se em oito prioridades políticas fundamentais e explorar todo o potencial da instituição para impulsionar o crescimento e a coesão social e territorial, e apoiar A liderança da Europa na dupla transição ecológica e digital, bem como o aumento da competitividade da Europa, da autonomia estratégica aberta e da segurança económica.

O debate, que teve lugar durante o Ecofin informal em Gante, constituiu a primeira troca de pontos de vista estratégica entre os governadores do BEI e a nova presidente, que assumiu funções em 1 de janeiro de 2024.

A reunião seguiu-se a várias semanas intensivas de reuniões de envolvimento entre o presidente e os acionistas individuais do Banco, durante as quais Calviño visitou várias capitais e reuniu-se com ministros e chefes de governo.

No centro da abordagem hoje revelada em Gante pelo presidente do Grupo BEI está colmatar o défice de investimento na inovação, nas novas tecnologias e nas infraestruturas físicas e sociais, dentro e fora da União Europeia, em benefício das regiões, das empresas e dos cidadãos da Europa.

As novas iniciativas apresentadas visam concentrar os investimentos na mitigação e adaptação às alterações climáticas e na transição energética, na digitalização e nas novas tecnologias. Incluem também planos para intensificar o investimento em segurança e defesa, aumentar o apoio e a expansão das pequenas e médias empresas (PME), reforçar a coesão territorial e as infra-estruturas sociais em áreas como a educação, a saúde e a habitação a preços acessíveis, e investir na agricultura e na biotecnologia. Fora da União Europeia, o foco da estratégia está no apoio à Ucrânia e num processo de alargamento bem-sucedido, bem como na estratégia Global Gateway da UE.

“Saúdo muito as discussões construtivas de hoje com os ministros das finanças da UE, presididas pela presidência belga. O forte apoio dos ministros à nossa estratégia ajudar-nos-á a aproveitar os pontos fortes do Grupo BEI e a utilizar este poderoso instrumento em todo o seu potencial para apoiar as prioridades estratégicas da UE e enfrentar com sucesso os desafios globais de hoje», afirmou o Presidente Calviño.

A presidir à reunião de hoje esteve o Ministro das Finanças da Bélgica e Presidente do Conselho do BEI, Vincent Van Peteghem. Ele disse: “A Europa enfrenta enormes desafios, exigindo um enorme financiamento. Enquanto maior banco multilateral do mundo, o BEI pode ajudar os governos a mobilizar os fundos necessários para financiar os desafios que enfrentamos, como a defesa, o clima e a competitividade. O BEI dispõe dos conhecimentos especializados e das ferramentas adequadas para envolver o setor privado. Ao atribuir um selo de qualidade a determinados projetos de investimento, o BEI confere uma forte credibilidade a projetos mais arriscados, permitindo a adesão de investidores privados.»

Anúncios

Aproveitar os pontos fortes do Grupo BEI e concentrar-se em oito prioridades fundamentais

O Presidente Calviño apresentou aos ministros um conjunto de oito prioridades fundamentais que ajudarão a construir uma economia mais resiliente, justa e competitiva: consolidação do banco climático; acelerar a inovação tecnológica e a digitalização; intensificar o investimento em segurança e defesa; contribuir para uma política de coesão moderna; desenvolver financiamento inovador para a agricultura e a bioeconomia; acelerar o investimento em infra-estruturas sociais; ser pioneiro na União dos Mercados de Capitais e concentrar as atividades fora da União Europeia na estratégia Global Gateway, na Ucrânia e num processo de alargamento bem-sucedido.

O presidente do BEI também delineou planos para intensificar o financiamento do Grupo BEI para a segurança e defesa da Europa, com uma forte ênfase em novas tecnologias, infraestruturas críticas, como o controlo de fronteiras, cibersegurança, espaço e tecnologias de dupla utilização, como os drones. A estratégia também inclui novo apoio a parcerias novas e mais fortes. “Já estamos a colaborar com a Comissão Europeia e outras partes interessadas importantes sobre o âmbito e a definição de 'dupla utilização'”, acrescentou.

Entre os temas discutidos esteve também a criação de novas ferramentas de financiamento para tecnologias estratégicas, como chips, bem como para sectores-chave da economia, nomeadamente pequenas e médias empresas.

Na sequência do debate Ecofin, o Grupo BEI trabalhará com o seu Conselho de Administração para explorar e aperfeiçoar propostas para:

· um programa de eficiência energética para as PME, destinado a expandir um grupo central de tecnologias verdes e economicamente eficientes;

· um novo programa hídrico para ajudar as cidades, regiões e empresas, especialmente os agricultores e o setor agrícola, a gerir o impacto da seca e das inundações, a digitalizar e a aumentar a eficiência do ciclo da água;

· um novo programa FASTER para acelerar a digitalização e a inovação tecnológica na União Europeia;

· instrumentos financeiros pioneiros da UE que podem constituir alicerces da União dos Mercados de Capitais.

Explorar todo o potencial do Grupo BEI para colmatar o défice de investimento

Colmatar o défice de investimento para o sucesso da Europa nas transições ecológica e digital exige a plena mobilização de recursos públicos, a redução da burocracia, a redução do tempo de colocação no mercado e a atração do setor privado.

O Presidente Calviño também apresentou planos ambiciosos para aumentar a eficiência das operações do Grupo BEI, por exemplo, simplificando e digitalizando processos, reduzindo assim o tempo necessário para que os projetos sejam aprovados e entregues no terreno.

O BEI é o braço financeiro da União Europeia, com um balanço superior a 550 mil milhões de euros, uma posição financeira sólida e um historial sem paralelo de investimento em grandes infraestruturas, clima e inovação. O BEI atua como catalisador do investimento privado (por cada euro de capital do BEI mobilizado, são mobilizados 40 euros de investimento) e desempenha um papel anticíclico, contribuindo para a estabilidade económica. Isto proporciona uma base muito sólida para a preparação de actividades nos próximos anos.

Informação de fundo

Banco Europeu de Investimento (BEI) é a instituição de crédito a longo prazo da União Europeia, propriedade dos seus Estados-Membros. Financia investimentos sólidos que contribuem para a UE objetivos políticos. Os projetos do BEI reforçam a competitividade, impulsionam a inovação, promovem o desenvolvimento sustentável, reforçam a coesão social e territorial e apoiam uma transição justa e rápida para a neutralidade climática.

O Grupo BEI, que inclui também o Fundo Europeu de Investimento (FEI), assinou um total de 88 mil milhões de euros em novos financiamentos para mais de 900 projetos em 2023, dos quais 49 mil milhões de euros foram destinados a investimentos verdes. Prevê-se que estes compromissos mobilizem cerca de 320 mil milhões de euros em investimentos, apoiando 400 000 empresas e 5.4 milhões de empregos.

Todos os projetos financiados pelo Grupo BEI estão em conformidade com o Acordo Climático de Paris. Estamos no bom caminho para cumprir o nosso compromisso de apoiar 1 bilião de euros em investimentos em sustentabilidade climática e ambiental na década até 2030, conforme prometido no nosso Roteiro do Banco Climático. Mais de metade do financiamento anual do Grupo BEI apoia projetos que contribuem diretamente para a atenuação e adaptação às alterações climáticas e para um ambiente mais saudável.

Aproximadamente metade do financiamento do BEI na União Europeia é direcionado para regiões de coesão, onde o rendimento per capita é mais baixo. Isto sublinha o compromisso do Banco em promover o crescimento inclusivo e a convergência dos padrões de vida, bem como uma transição verde justa em toda a União Europeia.

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA