Entre em contato

Líbia

Ministro das Relações Exteriores da Líbia suspenso após uma reunião em Roma com seu homólogo israelense, supostamente fugiu do país

Compartilhar:

Publicado

on

O Governo de Unidade Nacional com sede em Trípoli classificou a reunião em Roma entre Njla Mangoush e Eli Cohen como “acidental, não oficial e não planeada com antecedência”.

Autoridades israelenses teriam estabelecido contato com o governo de unidade da Líbia há vários meses.

O primeiro-ministro do Governo de Unidade Nacional da Líbia, Abd al-Hamid al-Dabaiba, suspendeu a sua ministra dos Negócios Estrangeiros, Najla Mangoush, após a sua reunião na semana passada em Roma com o ministro dos Negócios Estrangeiros de Israel, Eli Cohen..

Mangoush está sendo investigado e colocado em “suspensão administrativa”. Mas de acordo com o al-Wasat jornal, ela deixou a Líbia em um jato particular duas horas após sua suspensão e rumou para a Turquia.

O Governo de Unidade Nacional com sede em Trípoli emitiu uma declaração qualificando a reunião em Roma de “acidental, não oficial e não planeada com antecedência”.

“A Líbia nega categoricamente a exploração pela imprensa hebraica e internacional e a sua tentativa de conferir ao incidente o carácter de reuniões”, afirmou o comunicado, que sublinhou a “rejeição completa e absoluta de Trípoli à normalização com a entidade sionista” e afirmou a sua “plena compromisso com as questões das nações árabes e islâmicas, a principal das quais é a causa palestina.”

O líder do Conselho Presidencial da Líbia, Mohammed Menfi, pediu ao primeiro-ministro Dabaiba que fornecesse uma explicação sobre a reunião. Ele disse que o encontro entre Mangoush e Cohen “não reflete a política externa do Estado líbio” e é “uma violação das leis líbias que criminalizam a normalização com a entidade sionista”.

A notícia da reunião levou os manifestantes às ruas da Líbia, durante a qual foram queimadas bandeiras israelitas e houve gritos de solidariedade com os palestinianos.

O desenvolvimento ocorre horas depois de Jerusalém revelar que Cohen e Mangoush reuniram-se para discutir a possibilidade de normalizar os laços.

Anúncios

Durante a primeira reunião entre representantes dos dois países, Cohen ofereceu ajuda humanitária à nação norte-africana devastada pelo conflito e discutiu os esforços para preservar a herança dos judeus líbios.

Autoridades israelenses teriam estabelecido contato com o governo de unidade da Líbia há vários meses.

Um funcionário do governo líbio disse ao Associated Press que a possibilidade de a Líbia aderir aos Acordos de Abraham foi discutida pela primeira vez em Janeiro, numa reunião em Trípoli entre al-Dbeibeh e o Director da CIA, William Burns.

A fonte contou AP que o primeiro-ministro líbio inicialmente aprovou a proposta de normalização de Burns, mas retirou-se da sua posição devido a temores de uma reação pública no país que historicamente apoiou a causa palestina.

“A reunião histórica com a ministra dos Negócios Estrangeiros da Líbia, Najla Mangoush, é o primeiro passo na relação entre Israel e a Líbia”, disse Cohen num comunicado, explicando que “dado o tamanho e a localização estratégica da Líbia, as relações são de grande importância e têm enorme potencial para o Estado de Israel.”

Dilacerada por uma sangrenta guerra civil desde que uma rebelião apoiada pela NATO removeu o ditador Muammar Gaddafi do poder em 2011, a Líbia está dividida entre governos rivais em Trípoli e Benghazi há mais de uma década.

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA