Entre em contato

NATO

Não somos suficientemente duros com Putin, ele ainda nos vê como fracos

Compartilhar:

Publicado

on

Há muito que é adequado a Vladimir Putin apresentar a NATO como uma aliança militar excessivamente poderosa, obcecada em destruir a Rússia e em avançar cada vez mais no espaço pós-soviético. Mas qualquer que seja a sua retórica, o perigo real é que ele realmente veja a OTAN como fraca e dividida, como um bando de democracias em disputa que não estão dispostas a encontrar dinheiro para se defenderem adequadamente e sem sequer a capacidade de fabricar armas suficientes para lutar, escreve o Político. Editor Nick Powell.

À medida que a Rússia continua a fazer chover mortes sobre o povo da Ucrânia, pode parecer quase inapropriado examinar as suas acções, em grande parte simbólicas, contra um país que goza da segurança da adesão à NATO e à UE. Mas o anúncio do Kremlin de que a Primeira-Ministra da Estónia, Kaja Kallas, é uma mulher procurada ao abrigo do código penal russo ilustra algo do pensamento de Vladimir Putin.

Para levar a questão ao pé da letra, as acusações contra Kallas e outros políticos bálticos reflectem uma queixa russa de longa data sobre a remoção de memoriais de guerra soviéticos na Estónia e noutros locais. Como tantas vezes, a narrativa histórica está em jogo. Será que os memoriais comemoram a bravura do Exército Vermelho contra os nazis ou glorificam um regime soviético que conspirou com Hitler para destruir a independência dos Estados Bálticos, escravizou-os e depois não conseguiu defendê-los antes de voltar a impor uma tirania que durou décadas?

Tendo em conta tudo o que Putin disse sobre Estaline e o papel da União Soviética na Segunda Guerra Mundial, é improvável que ele seja capaz de reconhecer que aquilo que proclama serem verdades históricas são, na melhor das hipóteses, uma versão contestada dos acontecimentos. Mais preocupante é a sua relutância em reconhecer que, goste ou não, os memoriais de guerra desaparecidos estão no território de outro Estado soberano. 

E não apenas um Estado soberano, mas um Estado membro da NATO. Sendo a Finlândia e a Estónia agora ambos membros, a aliança é retratada pelo Kremlin como tendo praticamente alcançado as portas de São Petersburgo. Não que a Rússia realmente tema uma invasão. 

Não se trata apenas do facto de a NATO ser uma aliança estritamente defensiva, mas tem havido demasiados sinais de que poderá não ser tão eficaz nesse papel como antes parecia. Longe de ser a força voraz e monolítica da propaganda russa, as suas fraquezas são evidentes.

Os membros europeus da NATO não conseguiram, colectivamente, gastar o suficiente na defesa e ficaram com um défice chocante na capacidade militar, mais claramente ilustrado pela sua incapacidade de fabricar quantidades suficientes de munições e outro armamento prometidos à Ucrânia. Isso deu a Putin esperança de pelo menos manter o território que conquistou.

Anúncios

Também criou pelo menos espaço para dúvidas sobre se cada membro da NATO cumpriria o seu dever nos termos do artigo cinco do Tratado do Atlântico Norte e ajudaria outro membro sob ataque. Num certo sentido, essa dúvida sempre existiu, mas foi superada pela aparente certeza de que os Estados Unidos viriam em auxílio de todos e cada um dos aliados.

Donald Trump não é o primeiro ou o único político americano a sugerir que isso não deveria mais ser válido verdadeiro mas ele se tornou a voz mais alta na argumentação. Ele considera intolerável que outros membros da NATO dependam de que os EUA financiem o maior orçamento de defesa e a maior parte do seu PIB. É claro que também gasta uma parte maior do seu orçamento de defesa fora do teatro de operações da OTAN.

Na verdade, a Polónia já ultrapassou os gastos com defesa dos EUA quando medidos em percentagem do PIB. Portanto, presumivelmente, se o Presidente Trump for reintegrado na Casa Branca, isso não cairia na sua classificação de membros “delinquentes” da NATO, indignos de assistência se fossem atacados – e que Putin pode atacar de acordo com a retórica de Trump.

A Estónia também está confortavelmente acima da meta de gastos com defesa da OTAN de 2% do PIB, mas, no entanto, está nervosa com a sugestão de que os Estados Unidos podem escolher entre aliados da OTAN. Se as forças russas invadissem rapidamente um país tão pequeno, será que os americanos realmente chegariam para mudar o rumo da guerra?

Um cenário mais provável é que a Polónia, a Letónia e a Lituânia vejam instantaneamente uma ameaça existencial e saiam em defesa da Estónia. Tal como a Finlândia e provavelmente a Suécia, quer tenha sido admitida ou não na NATO. O resto do Grupo de Defesa do Norte poderá seguir-se em breve – os outros países nórdicos mais o Reino Unido, os Países Baixos e a Alemanha, provavelmente por esta ordem.

Nessa altura, o resto da NATO, incluindo os Estados Unidos, dificilmente conseguiria ficar fora do conflito. É claro que este é um cenário de pesadelo, mas o risco de guerra com toda a aliança é a única forma de Putin ser permanentemente dissuadido de atacar um membro da NATO.

Basta ver o que aconteceu na Ucrânia. Em vez de ser membro da NATO, só tinha uma garantia inútil da sua integridade territorial dada pelos Estados Unidos, Reino Unido e França, bem como pela Rússia, quando entregou as armas nucleares soviéticas estacionadas no seu território.

O manual de Putin é agora fácil de reconhecer, como deveria ter sido desde sempre por qualquer pessoa que não tivesse esquecido as lições da década de 1930. Primeiro vieram as exigências políticas, de que a Ucrânia se afastasse da NATO e da União Europeia e reconhecesse o direito da Rússia de “proteger” a população de língua russa. Depois, uma exigência territorial “legítima” para a Crimeia, seguida por uma guerra no Donbass que só se transformou numa invasão total quando a determinação ocidental de fazer algo a respeito foi testada – e considerada insuficiente.

A única resposta credível possível à mais recente ameaça à Estónia é redobrar o compromisso da NATO para com os Estados Bálticos e acelerar a ajuda militar europeia à Ucrânia. A ideia de um Comissário Europeu da Defesa, para coordenar o aumento da produção de armas, também é boa. É claro que devemos também esperar que em Washington a Câmara dos Representantes siga o exemplo do Senado e regresse ao apoio bipartidário à Ucrânia. E reze para que Donald Trump não retorne como presidente.

Compartilhe este artigo:

O EU Reporter publica artigos de várias fontes externas que expressam uma ampla gama de pontos de vista. As posições tomadas nestes artigos não são necessariamente as do EU Reporter.

TENDÊNCIA